A imagem do dia

O belga Victor Campanaerts é novo campeão europeu de contra-relógio. Numa prova muita longa (46 km) que foi dificultada em vários pontos pelo vento que se fez sentir, o belga, ciclista que representa a Lotto-Jumbo NL conseguiu bater o principal favorito Maciej Bodnar (Polónia\Bora; ciclista que ainda recentemente venceu o segundo contra-relógio do Tour em Marselha) por 2 escassos segundos. Com uma postura corporal exímia, o belga fez os 46 km literalmente a fundo com uma média horária de 51,880 km\h. Tanto Campanaerts como Bodnar ultrapassaram a barreira dos 50,5 km\h da previsão mais optimista que foi feita pela organização.

Tiago Machado fez um resultado muito interessante (11º a 1.57m) que poderia ter sido bastante melhor se o vento tivesse dado tréguas na parte final. Com condições atmosféricas menos adversas, o “Homem do Bigode” poderia ter realizado facilmente um lugar nos 6 primeiros. Se Nelson Oliveira tivesse vindo ao contra-relógio, tenho a certeza que teria condições para lutar por um dos lugares no pódio. Rafael Reis fez um honroso 24º lugar numa prova onde as forças lhe faltaram a meio do percurso. Pouco habituado a cronos longos, o ciclista da Caja Rural veio a Herning ganhar um precioso ponto de experiência para o futuro. Para o ano estou certo que o atleta voltará mais forte e mais ciente dos erros que não deve cometer para poder finalizar a prova dentro dos 20 primeiros.

Anúncios

Antevisão do Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (2ª parte)

Da Gazprom, a última equipa abordada na segunda parte desta antevisão, passamos para a Lotto-Soudal. Continuar a ler “Antevisão do Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (2ª parte)”

Roglic foi o mais forte no contra-relógio mas a vitória na Romândia pertenceu a Porte

No lançamento do crono que marcou o final da edição de 2017 da Volta à Romândia, apontei um conjunto de favoritos à conquista da etapa que teve o seu final em Lausanne e tracei um conjunto de conjecturas possíveis na classificação geral individual final face ao desfecho da geral individual após a etapa de ontem. Do lote de favoritos nos quais “apostei” (Richie Porte, Primoz Roglic, Jonathan Castroviejo, Alex Downsett, Jon Izaguirre, Alex Edmondson, Vasili Kyrienka, Andriy Grivko, Stefan Kung, Victor Campanaerts) existiram ciclistas que confirmaram o “favoritismo” que lhe atribuí (Roglic venceu a etapa, Porte foi 2º, Izaguirre 4º, Castroviejo 7º) enquanto outros casos, como os de Kyrienka, Downsett ou Edmondson desiludiram por completo.  Continuar a ler “Roglic foi o mais forte no contra-relógio mas a vitória na Romândia pertenceu a Porte”

A vitória de Sonny Colbrelli na Brabants Pijl

Sonny quê? Brabants quantas? Não, não é um post sobre o filho de Don Corleone mas sim um extraordinário corredor de clássicas italiano e trocando por miúdos, a Brabants Prij ou Fleche Brabançonne é uma das provas mais importantes do calendário velocipédico belga que atravessa duas regiões totalmente diferentes (na língua, cultura, tradições) dentro do mesmo país. A prova parte (Leuven) e termina dentro da região do Brabante Flamenco (Holandês) depois de passar por parte do território do Brabante da Valónia (parte francófona). Pelo meio os ciclistas tem de ultrapassar 26 colinas divididas por um traçado corrido com uma ponta final corrida em circuito fechado. Não é portanto uma prova qualquer e até é valorizada e apreciada pelo belgas ao mesmo nível do Tour de Flandres por exemplo.

Fazendo a ponte entre as clássicas do pavé e as clássicas das colinas que se seguem dentro de dias com a realização da Amstel Gold Race na Holanda, a prova belga é por norma a última prova de preparação para todos aqueles que tem aspirações a vencer a Amstel Gold Race, a Flèche Wallone e a Liège-Bastogne-Liège.
Continuar a ler “A vitória de Sonny Colbrelli na Brabants Pijl”