Qual é a posição mais aerodinâmica para efectuar uma descida no ciclismo?

Os cientistas Bert Blocken (Universidade de Eindhoven e Universidade de Leuven), Thijs Van Druenen e Yasin Topalar (Universidade de Eindhoven) em colaboração directa com Thomas Adrianne (Universidade de Liège) e o investigador da ANSYS International Thierry Marchal propuseram-se a investigar sobre posições aerodinâmicas de vários ciclistas profissionais durante o acto de descida para explicar quais as que podem gerar mais potência sem descurar a segurança da pessoa em causa.

Tomando como ponto de partida da investigação mítico da posição adoptada por Chris Froome no último Tour na espantosa descida que o britânico realizou na 8ª etapa (Peyresourde até Bagnères-de-Luchon), os 5 investigadores chegaram à conclusão, após vários testes, incluindo testes de “túnel de vento” que esta não é a posição que pode gerar mais potência face aos riscos associados ao nível de segurança. Outras formas de descida como as que realizavam Marco Pantani, Fabien Cancellara ou as que ainda realizam Vincenzo Nibali e Peter Sagan também foram estudadas debaixo de uma multiplicidade de factores explicados ao pormenor no estudo.

O estudo integral pode ser lido aqui. 

Antevisão ao Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (1ª parte)

Com vários vencedores e ciclistas que conseguiram alcançar o pódio nas últimas edições presentes, o vencedor de 2016, Vincenzo Nibali será o principal alvo a abater! Feita a apresentação do desenho da prova no post anterior, vamos apresentar neste e noutro post que há de surgir mais logo as figuras que irão correr nas próximas 3 semanas no certame italiano.

Muitos tem afiançado que perante a ausência de Chris Froome, Alberto Contador, Alejandro Valverde e Richie Porte, a edição de 2017 poderá gerar uma luta feroz nas montanhas entre Vincenzo Nibali, Nairo Quintana e Thibault Pinot. Não poderei ser de todo tão redutor quanto a este post, face à massiva presença da nata do pelotão mundial na prova italiana. Por outro lado, para além de não termos visto Nibali e Quintana correr na Volta a Romândia (o italiano preferiu ir à Croácia fazer a sua preparação, vencendo a Volta daquele país) e de termos visto na prova suiça um Thibault Pinot que decerto não se apresentará na máxima forma no Giro, creio que poderemos ter surpresas. A Cannondale tem por exemplo 3 ciclistas que poderão marcar a diferença porque se encontram em grande forma (a dupla de Davides, Vilella e Formolo e o canadiano Michael Woods). Outra das surpresas poderá ser Geraint Thomas. O ciclista galês da Sky parece-me neste momento da temporada em melhor forma que Mikel Landa. Bauke Mollema (Trek) também poderá ter uma palavra a dizer numa edição em que não terá Alberto Contador por perto.  Continuar a ler “Antevisão ao Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (1ª parte)”

Valverde: uma máquina a fabricar títulos!

5 triunfos na Flecha da Valónia, 4 triunfos na  13ª vitória nas ardenas belgas, 15ª vitória nos “5 monumentos do ciclismo” e 23ª em clássicas desde que se tornou profissional em 2001. Utilizando os slogans bastante conhecidos de uma marca de agentes imobiliários do nosso país, se há máquina de conquistar títulos na última década no ciclismo mundial, essa máquina é Alejandro Valverde! Nas ardenas escusam de atacar, de acelerar a corrida, de o convidar a desaparecer, de lhe negar a sua presença e companhia nos grupos, ou de tentar fazer a vida negra à Movistar. O veterano ciclista espanhol é como o rigor da matemática: na horinha de acertar as contas, não falha!

Continuar a ler “Valverde: uma máquina a fabricar títulos!”

Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?

O colombiano, ciclista que está curiosamente na capa deste blog na sua semana de estreia, voltou a dar-se bem em Itália, mais concretamente na prova cuja classificação geral individual já tinha vencido em 2015. Na longa subida ao Monte Terminilho, o ciclista da Movistar fez uma interessante corrida no plano táctico, atacando no momento certo para derrubar a concorrência mais directa que era feita por Geraint Thomas (Sky; voltou a confirmar o seu excelente estado de forma), Adam Yates (Orica) e Rigoberto Uran (Cannondale).  Continuar a ler “Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?”