Aquele momento em que a imprensa internacional engoliu todo o seu sensacionalismo e o seu fatalismo

Ouviram bem, jornalistas? Ele voltou. Um verdadeiro campeão não se rende “por dá cá aquela palha” no primeiro grande obstáculo que é chamado a atravessar. Não tenho quaisquer dúvidas e volto a reafirmar o mesmo que afirmei a 24 de Abril neste espaço: sendo um jogador bastante forte no plano mental, o sueco vai regressar em breve aos relvados. E vai regressar com tanta ou mais vontade de vencer do que aquela que tinha quando se lesionou naquele jogo frente ao Anderlecht. Nem que seja para voltar a ter o prazer de calar um bando de mentirosos e especuladores que só “sabem viver” à custa da miséria dos outros e da constante invenção de notícias especulativas sem qualquer fundo de veracidade.

Imagem do dia

“As melhoras Zlatan. Na Allsvenskan podes jogar só com um joelho” – esta foi a mensagem de apoio que os adeptos do Malmo deixaram ao seu eterno símbolo, “o menino prodígio” Zlatan Ibrahimovic.

Leram bem, jornalistas?

retirada da conta oficial de Instagram de Zlatan Ibrahimovic

Nos últimos dias, toda a imprensa desportiva internacional anunciou com toda a pompa que Zlatan Ibrahimovic tinha a carreira terminada. Vários foram os órgãos desportivos e os jornalistas (inclusive alguns em Portugal, com o Record claro está a comandar as republicações de notícias de órgãos de imprensa estrangeiros para território nacional) que, perante o cenário da lesão complicada no joelho que o sueco contraiu na passada quinta-feira no jogo contra o Anderlecht, trataram de lhe fadar a morte para o futebol e o respectivo velório. Imagino como é que Zlatan terá reagido assim que abriu os jornais e viu que de um dia para o outro, sem saber como (o departamento médico do United ainda não se pronunciou completamente sobre a situação do sueco nem tão pouco sobre o tempo de paragem que este deverá enfrentar) estava morto e enterrado para o futebol.

O facto da lesão “ser uma lesão complicada,” com um “tempo de recuperação bastante longo” e que “os jogadores que a sofrem nunca mais voltam a ter o mesmo rendimento” (de vez em quando os jornalistas acreditam que são médicos, revelando ser mestres na arte da tudologia; ou então estamos perante uma situação em que uma bola de cristal andou pelas redacções à falta de dados palpáveis que possam afiançar uma previsão mais fidedigna) a “idade avançada do jogador” e a eventual falta de predisposição por parte do jogador para passar por um árduo e penoso período de recuperação face à sua idade, foram os toscos argumentos utilizados pelos jornalistas para continuarem com a sua incessante saga de caça aos cliques.

Zlatan veio hoje dizer com este post no instagram que as coisas não se vão processar como os jornalistas querem mas sim como ele quer que as coisas se processem. Um verdadeiro campeão não se rende “por dá cá aquela palha” no primeiro obstáculo que é chamado a atravessar. Eu não tenho quaisquer dúvidas: sendo um jogador bastante forte no plano mental, o sueco vai regressar em breve aos relvados. E vai regressar com tanta ou mais vontade de vencer do que aquela que tinha. Nem que seja para voltar a ter o prazer de calar um bando de mentirosos e especuladores que só “sabem viver” à custa da miséria dos outros e da constante invenção de notícias especulativas sem fundo de verdade.

Breve análise: Manchester United 2-1 Anderlecht

Este elenco do Manchester United é o elenco mais estranho, senão mais bizarro que vi nos últimos 15 anos do trabalho de José Mourinho. Escrevo-o abertamente e sem rodeios. É para mim um facto inacreditável ver que o português, treinador que privilegia o rigor, a atitude, a disciplina, a construção de um plano de jogo sólido, mesmo que tais opções lhe custem andar arredado dos lugares cimeiros, chegou ao final da temporada neste clube (indiferentemente do lote de jogadores que possui e das lacunas da equipa, existem aqui jogadores que são apostas para o futuro)  sem conseguir formar um onze, sem ter planos de jogo devidamente trabalhados, sem conseguir “tirar” proveito de vários jogadores e sem conseguir evoluir mais que 2 ou 3 jogadores deste plantel. Em abono da verdade, só tenho visto evolução em 3 jogadores desta equipa do United: Bailly, Herrera e Rashford. Em variadíssimos casos (Pogba, Blind, Rojo, Valência, Martial, Ashley Young) só tenho visto regressão. Quando assim acontece, e quando o técnico português é obrigado a vir constantemente a público criticar a atitude e o profissionalismo de vários jogadores, de nada valeu o ano zero em Manchester. Mourinho terá que voltar a construir tudo de novo na próxima época com a entrada de várias unidades.

Continuar a ler “Breve análise: Manchester United 2-1 Anderlecht”

A exibição de Marcus Rashford no United 2-0 Chelsea

O miúdo fez uma exibição do caneco frente ao Chelsea. Garante profundidade e verticalidade ao jogo com as suas constantes desmarcações, aproveitando os passes a rasgar que Ander Herrera lhe foi fornecendo ao longo do jogo. Procurou sempre cair sobre as alas para estender o jogo e poder entrar e desequilibrar no seu fortíssimo 1×1. Pressionou bastante a saída do jogo do Chelsea e deu-se bem porque “criou” oportunidades de contra-ataque rápido que resultaram em lances perigosos. Deus Zlatan me perdoe, eu que até sou desde os tempos do Ajax um dos maiores fãs do seu futebol, mas por vezes o futebol é mais simples com outros jogadores. A panóplia de soluções do sueco está a ficar esgotada e previsível para os adversários. Chateia-me ver que com o sueco em campo, a linha média procura-o imediatamente à entrada da área para que o jogador possa segurar a bola de costas para a baliza e possa esperar o surgimento do apoio. Tais situações acabam por ser presas fáceis para qualquer equipa quando o compasso de espera se torna enorme. Em vez de criar o desequilíbrio rápido, trava o jogo e torna-o demasiado maçudo. Se Mourinho colocar o sueco dentro da área (onde ele é efectivamente forte, especialmente no jogo aéreo) e colocar o móvel Rashford a cirandar pelo último terço, verá o seu futebol obter mais ganhos.

Notas finais:
1. Eric Bailly é um monstro. A forma em como desautorizou Diego Costa na área foi absolutamente soberba. Para vencer o título, Mourinho precisará de lhe adicionar outro “monstro” ao lado.
2. 1 oportunidade de golo em toda a partida para o Chelsea. 1 oportunidade de golo. Uma equipa que pretende ser campeã até pode perder em Old Trafford. O que não pode é passar 90 minutos sem criar oportunidades de golo. 

Análise: Manchester United 1-1 Everton

O desvio de um remate com a mão por parte do central internacional pelo País de Gales Ashley Williams perdoou uma exibição muito cinzenta do Manchester United de José Mourinho no jogo realizado em Old Trafford. Faltaram muitas ideias aos Red Devils para contornar o bem montado esquema defensivo de Ronald Koeman (em bloco médio\pressão a meio-campo na 1ª parte; num bloco mais recuado nos seus últimos 30 metros no 2º tempo) em virtude da baixa velocidade de execução nas transições para o ataque e da falta de largura e profundidade dado ao jogo pelos homens da casa durante praticamente todo o jogo. O empate castiga mais o que os jogadores da equipa de Liverpool fizeram em campo (um jogo tacticamente perfeito; os seus processos de jogo ofensivos executados com mestria) pese embora o facto do United ter visto um golo anulado a Zlatan Ibrahimovic que poderia ter modificado o desfecho final do resultado.

Continuar a ler “Análise: Manchester United 1-1 Everton”