Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo

A 50 metros de fechar a 4ª vitória no Tour, Chris Froome mostrou um raro sorriso. Sem manifestar muito entusiasmo, aquele natural entusiasmo de quem acabara de escrever mais uma página de História na sua vida, na vida da prova que acabara de vencer, e até na modalidade em que é indiscutivelmente um dos Grandes, o britânico esticou o braço, ergueu o punho e tratou de dar uma pancada nas costas ao seu fiel escudeiro Michal Kwiatkowski. “Missão cumprida” – deverá ter pensado momentaneamente o britânico quando decidiu ter aquele gesto de carinho para com um ciclista que teria, em condições naturais, com uma equipa minimamente interessante às costas, capacidade para lutar por um lugar no top10 da geral individual. No fundo, quem é que desta equipa não teria capacidades para lutar pelo top10? Landa. Nieve. Henao. Kwiat. Thomas. Até o próprio Nieve se lhe fossem concedidas possibilidades para trabalhar no sentido de se apresentar na forma francesa em forma e com objectivos em mente.

Esta vitória foi efectivamente mais dura que as anteriores. O conjunto de situações que retiraram 2 dos principais rivais da prova foram só duas condicionantes que atenuaram o caminho ao britânico. Bardet, Uran e Aru foram, em momentos distintos da corrida, ossos duros de roer para o super ciclista. O inglês passou no exame. Desta vez o ciclista inglês nascido no Quénia, não foi obrigado (e em muitas etapas os adversários não o permitiram) a pintar a corrida com a sua indelével marca de água. Não vimos um Froome expansivo. Não vimos um Froome aventureiro. Vimos um Froome calculista e bem secundado por uma equipa escolhida a dedo que não cometeu grandes falhas nos momentos cruciais da prova. O colombiano, 2º classificado da geral, o francês da AG2R, o italiano da Astana e outros ciclistas como Daniel Martin, Barguil, Simon Yates, deram mostras sólidas daquilo que podem vir a realizar no futuro. Para o ano podemos ter Mikel Landa a correr por outra equipa porque nota-se a milhas que o espanhol não está contente com o seu papel dentro da equipa Sky. Tom Dumoulin, será, ao que tudo indica, a aposta da Sunweb para o Tour do próximo ano. O holandês poderá ser, em virtude da sua combatividade na alta montanha, do seu calculismo apurado, e da versatilidade provida pela sua altíssima especialidade no contra-relógio, a autêntica sombra de Froome nas próximas edições da prova francesa. Richie Porte também aparecerá em 2018 mais forte. O australiano deverá querer decerto fintar o azar que o vitimou na edição deste ano de forma tão precoce quando a corrida estava definitivamente a abrir. O australiano é louco o suficiente para tentar, tentar, tentar até aos 45 anos e só irá ficar satisfeito quando puder vencer o Tour. Alejandro Valverde poderá efectivamente não voltar à prova francesa mas Nairo Quintana não será o modesto NairoMan que vimos, fruto do cansaço acumulado devido à participação no Giro, na prova deste ano. Thibaut Pinot também deverá apostar à séria na edição de 2018, para vingar o mau desempenho geral da equipa FDJ na sua “prova rainha” da temporada. A estes nomes irão naturalmente acrescentar-se outros da nova geração. Manny Buchmann, Julien Alaphillippe (faltou à chamada por lesão), Adam Yates, Jan Hirt, Pierre Roger Latour, terão o seu espaço para crescer e para brilhar no futuro. O nível vai subir daqui em diante. Froome sabe. Toda a gente que segue esta modalidade, sabe. Vencer uma grande volta será cada vez mais difícil para um ciclista, indiferentemente do seu estatuto e da sua qualidade. O que não falta na hodiernidade da modalidade é talento, competência e vontade no pelotão internacional.

Continuar a ler “Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo”

A receita para um grande sprint

Vale a pena perder 2:45m das nossas vidas a observar este brilhante vídeo editado pela Eurosport. Neste vídeo podem ver com clareza todos os pormenores que diariamente abordo sobre um sprint. Os comboios, o acto de lançamento, a poupança de energia por parte do sprinter, a colocação no acto de lançamento, o “aproveitamento de determinadas rodas” por parte dos sprinters que não possuem um bom trabalho de equipa.

Tour de France – 19ª etapa – Edvald Boasson Hagen salvou a participação da Dimension Data na chegada a Salon-En-Provence

A volta queima os seus últimos cartuchos. À partida para esta etapa seria expectável que todas as equipas que ainda não ganharam qualquer etapa na prova e\ou que não vão levar nenhum ciclista ao pódio final de Paris utilizassem a tirada entre Embrun e Salon-de-Provence para dar outra expressão à sua performance. Qualquer equipa que saia de uma grande volta sem vencer uma etapa, pode considerar como inglórios (em vão) os esforços realizados durante o decurso da mesma. Vencer uma etapa numa grande volta é o principal objectivo estabelecido por grande parte das equipas presentes. A única excepção a esta regra é mesmo a Sky de Christopher Froome. Para a formação britânica, vencer uma etapa (já venceu, por intermédio de Geraint Thomas) sem vencer a geral da prova terá um sabor bastante amargo se atendermos à qualidade do elenco que foi convocado por Nicolas Portal para ajudar o seu chefe-de-fila a chegar ao 4º triunfo na prova.

Numa etapa bastante animada pela fuga do dia, Edvald Boasson Hagen pode aliviar os sobressaltados corações dos responsáveis da Dimension Data. De uma maneira ou de outra, nas etapas disputadas ao sprint ou nas etapas de montanha, Mark Cavendish e corredores como Stephen Cummings ou Serge Paawels (o ciclista belga tentou dar o litro em todas as fugas em que entrou no decurso da prova mas não conseguiu ser feliz) davam todas as garantias ao seu director desportivo. O prognóstico inicial ajuizado pela formação sul-africana acabou por cair num mar de dúvidas quando Mark Cavendish abandonou a prova na 4ª etapa. Quando Cummings e Paawels não conseguiram triunfar nas fugas em que entraram na montanha, ou até mesmo quando Edvald Boasson Hagen foi obrigado a fazer o papel de Cavendish nos sprints, papel que o levou a acumular uma série de 2ºs e 3ºs lugares nos sprints disputados contra Kittel ou Matthews, o mar de dúvidas que reinava no seio da equipa transformou-se num enorme pesadelo.

Na 19ª etapa da prova, a formação sul-africana decidiu alterar a sua estratégia de corrida. Ao lançar Boasson Hagen na numerosa fuga que se estabeleceu na frente, a formação orientada por Brian Smith pretendeu livrar o finalizador noruguês das oportunas garras de Michael Matthews.

Continuar a ler “Tour de France – 19ª etapa – Edvald Boasson Hagen salvou a participação da Dimension Data na chegada a Salon-En-Provence”

Tour de France – Etapa 18 – Muito Barguil para tão pouca corrida

Se não fosse o ataque do francês da Sunweb (à procura de vencer a 2ª etapa na presente edição; arrastando consigo Alberto Contador) nos últimos quilómetros para a mítica subida de Izoard, estou certo que teria adormecido. A etapa de hoje foi seguramente uma das etapas de montanha mais secantes que vi em toda a minha vida, pelo menos no que diz respeito ao Tour. Nem as etapas que eram vencidas por Lance Armstrong eram tão secantes. Naquelas edições da prova, poucos poderiam ser aqueles que faziam frente à maior fraude da história do desporto, mas, por outro lado, aquelas etapas raramente terminavam sem ataques.

Os condimentos para a confecção de uma etapa explosiva de ataque e contra-ataque estavam prontos nos containers. As diferenças registadas na geral entre Froome e os seus dois perseguidores mais directos prometiam, no mínimo, espectacularidade. Ou deviam, pelo menos, prometer. Os 27 segundos de diferença da dupla que segue na 2ª posição, deveriam funcionar para Romain Bardet e Rigoberto Uran como uma bela oportunidade para “descarregar” tudo o que tinham para dar. Uma verdadeira descarga de consciência, um verdadeiro “Tour ou nada”- se ganhassem tempo a Froome, seria óptimo. Ainda gostaríamos de tentar compreender se Bardet ou Uran seriam capazes de agarrar com unhas e dentes a amarela no contra-relógio de Marselha. Tal cenário poderia constituir-se como um profundo e completo estudo de caso sobre a supremacia do estado mental sobre os handicaps aerodinâmicos e posicionais que os dois ciclistas possuem naquele departamento. Mas Não. Bardet ainda ameaçou pretender fazer alguma coisa da etapa quando colocou a sua equipa na frente do grupo principal no Col du Vars. O ataque realizado no Izoard foi tímido e Froome foi pronto a dar a sua contra-resposta: quem o desafiar seriamente não só recebe o devido troco como terá que lidar com as consequências de um eventual ataque. O pequeno ataque de Landa bem como a resposta de Froome à movimentação de Bardet foi a confirmação pela qual há muito aguardávamos: para o ano há mais! Froome irá subir pela 4ª vez com a amarela vestida nos Champs Elysées. Continuar a ler “Tour de France – Etapa 18 – Muito Barguil para tão pouca corrida”

Tour de France – Etapa 17 – A estratégia perfeita de Primoz Roglic; Aru despede-se da luta pela geral

Col D´Ornon, Col de la Croix de Fer, Col du Telegraph, e finalmente o Col Du Galibier – escrevi aqui, no post de antevisão da prova, a propósito desta etapa:

“A etapa que não termina em alto (com muita pena nossa) começa no simpático Col D´Ornon. Passados alguns km, os ciclistas terão que enfrentar a Croix de Fer, subida com a distância de 24 km (a mais longa da prova) a uma percentagem média de inclinação de 5,2%. Da Croix de Fer, os ciclistas sairão para o Telegraph, passagem obrigatória de qualquer Tour. Alberto Contador volta à sua subida fetiche.”

Não seria portanto de espantar que o espanhol viesse a atacar a etapa, indiferentemente dos objectivos pelos quais estivesse a lutar à partida para a mesma. A corrida até lhe foi correndo de feição até certo ponto. O que o espanhol não previu foi o engodo montado pelo esloveno Primoz Roglic. O esloveno da Lotto-Jumbo-NL, corredor que é na minha opinião uma das grandes revelações da temporada (apesar de não estar a realizar uma prova minimamente aceitável para as suas potencialidades de trepador) “gastou” Contador até dizer chega durante o início da subida para o Galibier para depois deixar o espanhol e os restantes companheiros de fuga pregados ao selim quando lançou o bem medido ataque que lhe permitir chegar isolado à linha de meta, no dia em que lá atrás, no grupo dos favoritos, Fábio Aru despediu-se da luta pela geral.

Continuar a ler “Tour de France – Etapa 17 – A estratégia perfeita de Primoz Roglic; Aru despede-se da luta pela geral”

Tour de France – 16ª etapa – Another Great Victory for Michael Matthews!!

“He was just sensational” – quem joga regularmente Pro Cycling Manager conhece perfeitamente o som que é reproduzido pela “voz-off virtual do radio tour” do jogo sempre que o australiano da Sunweb vence “virtualmente” uma etapa. Na chegada a Romans-Sur-Isére, numa etapa que marcou a passagem da caravana pela zona do maciço central francês (região de Rhone-Apes), cumprido que foi durante o dia de ontem o 2º dia de descanso da prova, na aproximação às duas etapas que se irão disputar nos próximos dias nos Alpes, o Australiano bateu ao sprint Edvald Boasson Hagen (Dimension Data) e John Degenkolb à justa em cima da linha de meta.

Na clássica passagem por uma das regiões mais montanhosas do território francês, a ASO decidiu trocar as voltas a todo o pelotão. Ao desenhar um percurso essencialmente corrido em descida, ao invés do que habitualmente acontece (o desenho de uma etapa “rasga pernas” com várias contagens de 2ª e 3ª categoria) a organização decidiu incluir na “rota da etapa” a passagem por vários pontos em que os ventos se alteram (de lado para vento de frente) conforme a direcção corrida pelos ciclistas. A etapa gerou naturalmente um enorme nervosismo no seio do pelotão. Para além quedas que existiram durante a etapa, as equipas dos ciclistas que partiram dentro dos primeiros 10 lugares da geral sentiram-se obrigadas a proteger os seus activos na frente para os salvaguardar dos cortes que o vento poderia provocar no pelotão. Daniel Martin (Quickstep) Alberto Contador (Trek) e Meintjes (UAE) foram os três ciclistas do top 10 que não conseguiram a escapar aos cortes. O ciclista irlandês da Quickstep, corredor que conseguiu na etapa de domingo reaproximar-se da luta pela amarela em virtude dos segundos ganhos a todos os rivais, poderá ter perdido definitivamente, durante a etapa de hoje, a possibilidade de vir a discutir a vitória na geral nas próximas etapas. Continuar a ler “Tour de France – 16ª etapa – Another Great Victory for Michael Matthews!!”