Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo

A 50 metros de fechar a 4ª vitória no Tour, Chris Froome mostrou um raro sorriso. Sem manifestar muito entusiasmo, aquele natural entusiasmo de quem acabara de escrever mais uma página de História na sua vida, na vida da prova que acabara de vencer, e até na modalidade em que é indiscutivelmente um dos Grandes, o britânico esticou o braço, ergueu o punho e tratou de dar uma pancada nas costas ao seu fiel escudeiro Michal Kwiatkowski. “Missão cumprida” – deverá ter pensado momentaneamente o britânico quando decidiu ter aquele gesto de carinho para com um ciclista que teria, em condições naturais, com uma equipa minimamente interessante às costas, capacidade para lutar por um lugar no top10 da geral individual. No fundo, quem é que desta equipa não teria capacidades para lutar pelo top10? Landa. Nieve. Henao. Kwiat. Thomas. Até o próprio Nieve se lhe fossem concedidas possibilidades para trabalhar no sentido de se apresentar na forma francesa em forma e com objectivos em mente.

Esta vitória foi efectivamente mais dura que as anteriores. O conjunto de situações que retiraram 2 dos principais rivais da prova foram só duas condicionantes que atenuaram o caminho ao britânico. Bardet, Uran e Aru foram, em momentos distintos da corrida, ossos duros de roer para o super ciclista. O inglês passou no exame. Desta vez o ciclista inglês nascido no Quénia, não foi obrigado (e em muitas etapas os adversários não o permitiram) a pintar a corrida com a sua indelével marca de água. Não vimos um Froome expansivo. Não vimos um Froome aventureiro. Vimos um Froome calculista e bem secundado por uma equipa escolhida a dedo que não cometeu grandes falhas nos momentos cruciais da prova. O colombiano, 2º classificado da geral, o francês da AG2R, o italiano da Astana e outros ciclistas como Daniel Martin, Barguil, Simon Yates, deram mostras sólidas daquilo que podem vir a realizar no futuro. Para o ano podemos ter Mikel Landa a correr por outra equipa porque nota-se a milhas que o espanhol não está contente com o seu papel dentro da equipa Sky. Tom Dumoulin, será, ao que tudo indica, a aposta da Sunweb para o Tour do próximo ano. O holandês poderá ser, em virtude da sua combatividade na alta montanha, do seu calculismo apurado, e da versatilidade provida pela sua altíssima especialidade no contra-relógio, a autêntica sombra de Froome nas próximas edições da prova francesa. Richie Porte também aparecerá em 2018 mais forte. O australiano deverá querer decerto fintar o azar que o vitimou na edição deste ano de forma tão precoce quando a corrida estava definitivamente a abrir. O australiano é louco o suficiente para tentar, tentar, tentar até aos 45 anos e só irá ficar satisfeito quando puder vencer o Tour. Alejandro Valverde poderá efectivamente não voltar à prova francesa mas Nairo Quintana não será o modesto NairoMan que vimos, fruto do cansaço acumulado devido à participação no Giro, na prova deste ano. Thibaut Pinot também deverá apostar à séria na edição de 2018, para vingar o mau desempenho geral da equipa FDJ na sua “prova rainha” da temporada. A estes nomes irão naturalmente acrescentar-se outros da nova geração. Manny Buchmann, Julien Alaphillippe (faltou à chamada por lesão), Adam Yates, Jan Hirt, Pierre Roger Latour, terão o seu espaço para crescer e para brilhar no futuro. O nível vai subir daqui em diante. Froome sabe. Toda a gente que segue esta modalidade, sabe. Vencer uma grande volta será cada vez mais difícil para um ciclista, indiferentemente do seu estatuto e da sua qualidade. O que não falta na hodiernidade da modalidade é talento, competência e vontade no pelotão internacional.

Continuar a ler “Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo”

Imagem do dia

No seguimento do post de ontem. Dia após dia, este tem sido invariavelmente o cenário na dianteira do pelotão. É possível não admirar e não enaltecer o estupendo esforço que este homem (Tiago Machado) tem depositado na estrada, etapa após etapa, para que a sua equipa, em geral, e o seu sprinter e chefe-de-fila Alexander Kristoff, em particular, conquistem o seu principal objectivo na prova?

A sobriedade de Tiago Machado

Quando eu era petiz, havia determinados aspectos que também não percebia no ciclismo. Essas incompreensões sobre alguns aspectos da modalidade não eram, ao contrário do que usualmente acontece com as crianças, fruto de algum desconhecimento técnico ou táctico sobre a modalidade, porque desde cedo desenvolvi um especial interesse pelas acções e características de todos os corredores, pelas decisões tácticas e estratégias que eram tomadas pelos seus directores desportivos, e pelo próprio contexto de evolução da modalidade – como sempre fui uma criança curiosa, sempre que queria saber mais sobre determinado corredor ou sobre determinada equipa, socorria-me das muletas que tinha mais à mão: o meu pai e o meu avô. Mais o meu avô porque o meu pai não acompanha regularmente a modalidade desde há 2 décadas a esta parte.

Essa incompreensão surgia quase sempre em virtude do contexto da temporada em questão: não percebia o porquê do José Maria Jimenez não ser o chefe-de-fila da Banesto, não percebia, por exemplo a razão pela qual o Michelle Bartoli (o melhor puncheur dos anos 90) não corria regularmente provas por etapas ou a razão pela qual o Pavel Tonkov não aparecia no Tour de France. Na altura, confesso que desconhecia por completo o indispensável planeamento que era realizado por todas as equipas no início da cada temporada. Nada mais natural para uma criança de 7 ou 8 anos. A falta de informação sobre o que se passava lá fora também não nos ajudava a perceber quais eram os objectivos que todas as equipas traziam para as grandes voltas.  Continuar a ler “A sobriedade de Tiago Machado”

Tour de France – 10ª etapa – Marcel Kittel nas alturas

E paz na terra entre os sprinters! Viva Deutschland! Permitam-me o indispensável momento musical de fiesta mexicana, promovido pelo grande Marcel Kittel da música alemã.

O sprinter germânico da Quickstep é o verdadeiro penetra das festas encomendadas por outros. Trocando por miúdos: o pessoal da Lotto de André Greipel e da Katusha de Alexander Kristoff tenta, como tem efectivamente tentado nas últimas etapas, encomendar uma festa para os seus afilhados. Aceleram bem nos últimos 30 km para varrer os ciclistas em fuga que rodam na frente. Preparam na perfeição os seus comboios para atacar os lançamentos nos quilómetros finais. Brigam pelos rebuçados que caem das pinãtas, ou como quem diz, andam ali quilómetros a lutar pela dianteira do pelotão para poderem ter o prazer de posicionar e lançar bem os seus sprinters. De um momento para o outro, sem o ninguém chamar, à boleia daquele que tiver com mais energia (Fábio Sabatini, Matteo Trentin) para o tentar posicionar (dentro dos 10 primeiros; nunca nas primeiras 5 posições) aparece o penetra Marcel Kittel. Num ápice, o Kaiser da Turíngia, não só consegue entrar na festa como rouba todos os presentes aos aniversariantes. Danke Schon und aufwiedersehen! Morgen mehr!

Continuar a ler “Tour de France – 10ª etapa – Marcel Kittel nas alturas”

Tour de France – 6ª etapa – Marcel Kittel bisa na chegada a Troyes

Imagens do último km\sprint final

A prova nos 20 km finais (o vídeo foi interrompido quando faltavam 3 km para a meta).

Em Troyes, o alemão Marcel Kittel voltou a soltar um dos seus sonoros “Ja” – Prima! Wunderbar! Natürlich Kittel! No primeiro sprint da prova sem a presença de Peter Sagan e Mark Cavendish, o ciclista germânico da equipa belga Quickstep levou a melhor sobre os seus rivais na luta pela camisola verde. Vindo de trás, do nada, o alemão realizou uma ponta final fortíssima. Arnaud Demate (FDJ), Andre Greipel (Lotto-Soudal) e Alexander Kristoff (Katusha) tiveram que se contentar, respectivamente, com as posições entre o 2º e o 4º lugar!

Continuar a ler “Tour de France – 6ª etapa – Marcel Kittel bisa na chegada a Troyes”

Criterium Dauphiné – Etapa 5 – Phil Bauhaus surpreende tudo e todos na chegada a Mâcon

A Team Sunweb está na moda! A temporada de 2017 está a ser uma estreia de sonho para a agência de promoção turística alemã que decidiu no final de 2016 comprar a super licença da Giant-Alpecin no UCI World Tour. Ainda a comemorar a épica vitória de Tom Dumoulin no Giro de Itália (durante a presente semana foi confirmada a renovação de contrato do ciclista holandês até ao final da temporada de 2022, facto que indica que a Sunweb não deverá findar o seu patrocínio até essa data ) a equipa alemã voltou a comemorar na tarde de ontem uma vitória de etapa no Dauphiné com a vitória ao sprint de Phil Bauhaus na chegada a Mâcon. Na última oportunidade para os sprinters antes das terríveis etapas de montanha que serão corridas até domingo, o semi-desconhecido ciclista alemão de 22 anos bateu de forma surpreendente toda a elite dos sprinters em prova, conquistando a mais importante vitória da sua jovem carreira.

Continuar a ler “Criterium Dauphiné – Etapa 5 – Phil Bauhaus surpreende tudo e todos na chegada a Mâcon”

Criterium Dauphiné – Etapa 2 – Arnaud Demare conquista o seu 7º triunfo da temporada

Na chegada a Arlanc, a Française des Jeux mostrou que tem a máquina bem oleada para o Tour. Numa etapa corrida num traçado muito exigente do ponto de vista técnico, o sprinter francês de 25 anos foi mais forte que toda a concorrência num dos sprints mais competitivos da temporada, relegando Alexander Kristoff da Katusha para a 2ª posição e Nacer Bouhanni da Cofidis para a 3ª. Para a sua vitória muito contribuíram os esforços realizados pela sua equipa no estabelecimento na frente do pelotão do seu “comboio” e o lançamento promovido a 500 metros da meta por um companheiro de equipa. Numa etapa que todas as equipas dos sprinters (à excepção da Quickstep, um pouco em virtude da queda sofrida por Peter Vakoc na cauda do pelotão nos quilómetros finais) lutaram arduamente para conceder aos seus targets as melhores condições possíveis de abordagem ao sprint final, o francês acabou por dar uma clara demonstração de força: Demare está bem, acabou por conseguir superar o registo de vitórias obtido no ano passado (6) e promete que os seus objectivos não ficarão decerto por aqui: o francês quer desafiar Peter Sagan e Marcel Kittel no Tour!

Continuar a ler “Criterium Dauphiné – Etapa 2 – Arnaud Demare conquista o seu 7º triunfo da temporada”