Roglic foi o mais forte no contra-relógio mas a vitória na Romândia pertenceu a Porte

No lançamento do crono que marcou o final da edição de 2017 da Volta à Romândia, apontei um conjunto de favoritos à conquista da etapa que teve o seu final em Lausanne e tracei um conjunto de conjecturas possíveis na classificação geral individual final face ao desfecho da geral individual após a etapa de ontem. Do lote de favoritos nos quais “apostei” (Richie Porte, Primoz Roglic, Jonathan Castroviejo, Alex Downsett, Jon Izaguirre, Alex Edmondson, Vasili Kyrienka, Andriy Grivko, Stefan Kung, Victor Campanaerts) existiram ciclistas que confirmaram o “favoritismo” que lhe atribuí (Roglic venceu a etapa, Porte foi 2º, Izaguirre 4º, Castroviejo 7º) enquanto outros casos, como os de Kyrienka, Downsett ou Edmondson desiludiram por completo.  Continuar a ler “Roglic foi o mais forte no contra-relógio mas a vitória na Romândia pertenceu a Porte”

Simon Yates vence no espectáculo de Richie Porte na Romândia

Na etapa entre Domdidier e Leysin (165,2 km), as subidas finais de 1ª categoria ao Col de Pillon e Leysin (em teoria 6 km de subida, sendo apenas 4,8 os contabilizados para a categorização do Prémio da Montanha; o último quilómetro apresentava uma inclinação média de 6,5%) assumiam-se à partida para a etapa (e até para a prova) como os momentos ideiais para os trepadores realizarem diferenças na montanha. Num duelo entre Simon Yates (Orica; atacou primeiro no final do Pillon) e Richie Porte (atacou logo na início da subida final para ir em busca do grupo que rodava na frente e assim estabelecer diferenças para os mais directos concorrentes), o ciclista da Orica levou a melhor, partindo para a etapa final, um contrarelógio, com 19 segundos de avanço para o ciclista da BMC.  Continuar a ler “Simon Yates vence no espectáculo de Richie Porte na Romândia”

Fabio Felline vence o Prólogo da Volta à Romândia

A belíssima e “italiana” região da Romandia na Suiça é o último pit stop antes do Giro de Itália. Na prova suiça, prova de 6 etapas (a primeira em regime de prólogo) que foi vencida nas últimas edições por Nairo Quintana (Movistar) e Ilnur Zakarin (Katusha) estão presentes praticamente todos os ciclistas que tem ambições no próximo Giro para além de outras grandes vedetas do pelotão internacional como é o caso de Chris Froome, ciclista que já venceu a prova em duas ocasiões nos anos de 2013 e 2014. Apesar de se desconhecer por completo o actual estado físico do ciclista britânico em virtude dos poucos dias de corrida que somou na primeira metade desta temporada, Froome é sempre um nome a ter em conta para qualquer prova. Estou convicto que o veremos seguramente na frente nas etapas de montanha.

Carlos Alberto Bettancur (Movistar), David de La Cruz e Bob Jungels (Quickstep), Tejay Van Garderen e Richie Porte (BMC), Simon Yates e Roman Kreuziger (Orica), Chris Froome (Sky), Jarlinson Pantano (Trek), Warren Barguil e Wilco Keldermann (Sunweb), Rigoberto Uran (Cannondale), Robert Gesink e Primoz Roglic (Lotto Jumbo-NL), Ilnur Zakarin e Simon Spilak (Katusha), Jon Izaguirre e Sonny Colbrelli (Bahrein-Mérida) Christophe Riblon e Alexis Vuillermoz (AG2R) Sebastien Reichenbach (FDJ), Louis Mentjes e Diego Ulissi (UAE; Rui Costa não correrá uma prova onde já conseguiu fazer pódio em duas ocasiões) são as estrelas do pelotão internacional presentes na suiça para discutir as etapas e a geral individual da prova.
Continuar a ler “Fabio Felline vence o Prólogo da Volta à Romândia”

Primoz Roglic vence no País Basco

Na chegada a Bilbao, na etapa que antecedeu a etapa rainha da prova basca, o esloveno Primoz Roglic voltou a confirmar a razão que leva muitos analistas da modalidade a considerá-lo uma das grandes surpresas deste início de temporada. O vencedor da geral individual da edição de 2017 da Volta ao Algarve (e 4º classificado da geral da última edição do Tirreno-Adriático) conseguiu terminar da melhor forma uma etapa que voltou a ser marcada por um fortíssimo final e por uma data de azares de alguns ciclistas.
Continuar a ler “Primoz Roglic vence no País Basco”

Quem tenta sempre alcança – a vitória de David de La Cruz no País Basco

À terceira tentativa foi de vez! Depois do azar de Julian Alaphillipe na primeira etapa e do fracasso que foi o lançamento do sprint de Mauro Richeze na 2ª depois de um dia árduo de trabalho para colocar o sprinter argentino nas condições ideiais para vencer a etapa, na primeira etapa de abordagem à montanha (média montanha) foi o espanhol David de La Cruz quem deu a vitória na etapa e a liderança da geral individual à equipa belga, equipa que tem tido uma semana minimamente feliz, depois da vitória de Phillipe Gilbert no Tour da Flandres.

Continuar a ler “Quem tenta sempre alcança – a vitória de David de La Cruz no País Basco”

Peter, o dominador

Que fantástico final de etapa! Que fantástico esforço de Sagan para fazer a reaproximação nos últimos quilómetros e que fantástico sprint do campeão do mundo! Peter Sagan voltou a vencer no Tirreno Adriático na chegada a Fermo, numa etapa de rasga pernas que teve todos os condimentos para garantir aos amantes do ciclismo um elevadíssimo grau de espectacularidade.

A duas curtas inclinações finais proporcionaram uma multiplicidade de variáveis: havia quem, como Luis León Sanchez, um especialista neste tipo de etapas, pretendesse dar à sua equipa, à Astana, a vitória na etapa para de certo modo “remendar” a fraca prestação de Fabio Aru na prova, quem pretendesse (o caso de Vasili Kyrienka da Sky) rodar na frente para desgastar as equipas adversárias para permitir um ataque de Geraint Thomas sem resposta à altura, e quem, o caso de Thibault Pinot da Fdj, pretendesse tentar reduzir a vantagem na geral individual para Nairo Quintana. À espreita para ver o que é que acontecia nos quilómetros finais estavam Tejay Van Garderen, Rigoberto Uran e Peter Sagan, se bem que, desde cedo, a Bora, equipa do campeão do mundo jogou com duas peças: se alguém saísse do pelotão na penúltima subida, estava lá o polaco Rafal Majka para também discutir a etapa. Sem o segundo à geral em prova, Adam Yates, por desistência do ciclista britâncio, a tarefa de NairoMan para manter a camisola azul estaria ligeiramente mais facilitada visto que o atleta da Orica tinha revelado nas etapas anteriores alguma disponibilidade física para colocar os seus poderosos ataques.

Continuar a ler “Peter, o dominador”

Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?

O colombiano, ciclista que está curiosamente na capa deste blog na sua semana de estreia, voltou a dar-se bem em Itália, mais concretamente na prova cuja classificação geral individual já tinha vencido em 2015. Na longa subida ao Monte Terminilho, o ciclista da Movistar fez uma interessante corrida no plano táctico, atacando no momento certo para derrubar a concorrência mais directa que era feita por Geraint Thomas (Sky; voltou a confirmar o seu excelente estado de forma), Adam Yates (Orica) e Rigoberto Uran (Cannondale).  Continuar a ler “Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?”