Imagem do dia

O Tiago Machado terminou mais uma volta. E terminou-a com um sorriso estampado na cara, com um bruto de um bigodaço à Portugais, e com mais uma dose do seu insuperável e incansável esforço na frente do pelotão em prol de Alexander Kristoff. Como já tive oportunidade de escrever aqui, ao longo da prova, na sua página de facebook, o Tiago teve que lidar com o profundo desconhecimento e por vezes com o mau fígado daqueles profundos e severos ignorantes que acham que percebem muito de ciclismo. De ciclismo de sofá. De ciclismo de ocasião, durante o mês de Julho. Daqueles que invariavelmente usam o mês de Julho para ver algo diferente daquilo (bola) que a estação não oferece em abundância.

Esses neandertais da vida portuguesa, tipos que raramente saem do sofá para fazer o quer que seja (até o seu próprio jantar) julgam-se os verdadeiros catedráticos da coisa. Como se julgam os verdadeiros catedráticos da coisa (not) mas não sabem o que é montar um selim desde o estrondoso ano de 1997 em que o pai lhes ofereceu no Natal uma órbita com 21 velocidades shimano e uns travões “do melhor que havia” (para vender em qualquer Continente!) crêem que têm o direito de insultar toda a gente. Em diversos posts diários que o Tiago foi lançando (o ciclista teve até o bom senso e a sobriedade de explicar pormenores internos da equipa que não deveria explicar em público para tentar ajudar os “cansados” que se amontoaram a insultar o seu prodigioso rendimento) dezenas foram aqueles que o chegaram a aconselhar a dedicar-se à pesca, em virtude do facto do Tiago estar naturalmente, como estão centenas de talentos do pelotão nacional, obrigado a seguir uma hierarquia dentro da equipa bem como os objectivos diariamente estabelecidos pelos responsáveis da equipa para as etapas.

O destino é infelizmente, para muitos, uma puta do caralho! Do insucesso que foi a participação de Alexander Kristoff no Tour, salientou-se o rendimento exemplar de Tiago Machado na frente do pelotão. O português foi, desculpem-me novamente o asneirão, do CARALHO nestes 21 dias de prova! Os doutos experts de sofá não compreendem a dureza que estes homens passam diariamente na estrada. Como não compreendem a dureza, porque nunca a viveram (nem nos grandfondos, nem no cicloturismo, nem nos raids de adolescência à serra do Caramulo, périplo que executei durante anos a fio nas férias de verão, diariamente, ao sol, à chuva, sem um remendo para a câmara do pneu caso furasse, sem uma câmara sobresselente, por vezes sem telemóvel para pedir auxilio caso caísse em estradas por onde passam carros de hora a hora) não imaginam o que é marcar ritmo à frente do pelotão durante 100 km! 100 km! Não imaginam o desgaste energético ao qual é submetido diariamente este atleta. Aliás, se imaginassem e se tentassem, creio que muitos não estariam neste mundo para destilar o fel que destilam porque provavelmente cairiam para o lado ao fim de 3 km. 

Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo

A 50 metros de fechar a 4ª vitória no Tour, Chris Froome mostrou um raro sorriso. Sem manifestar muito entusiasmo, aquele natural entusiasmo de quem acabara de escrever mais uma página de História na sua vida, na vida da prova que acabara de vencer, e até na modalidade em que é indiscutivelmente um dos Grandes, o britânico esticou o braço, ergueu o punho e tratou de dar uma pancada nas costas ao seu fiel escudeiro Michal Kwiatkowski. “Missão cumprida” – deverá ter pensado momentaneamente o britânico quando decidiu ter aquele gesto de carinho para com um ciclista que teria, em condições naturais, com uma equipa minimamente interessante às costas, capacidade para lutar por um lugar no top10 da geral individual. No fundo, quem é que desta equipa não teria capacidades para lutar pelo top10? Landa. Nieve. Henao. Kwiat. Thomas. Até o próprio Nieve se lhe fossem concedidas possibilidades para trabalhar no sentido de se apresentar na forma francesa em forma e com objectivos em mente.

Esta vitória foi efectivamente mais dura que as anteriores. O conjunto de situações que retiraram 2 dos principais rivais da prova foram só duas condicionantes que atenuaram o caminho ao britânico. Bardet, Uran e Aru foram, em momentos distintos da corrida, ossos duros de roer para o super ciclista. O inglês passou no exame. Desta vez o ciclista inglês nascido no Quénia, não foi obrigado (e em muitas etapas os adversários não o permitiram) a pintar a corrida com a sua indelével marca de água. Não vimos um Froome expansivo. Não vimos um Froome aventureiro. Vimos um Froome calculista e bem secundado por uma equipa escolhida a dedo que não cometeu grandes falhas nos momentos cruciais da prova. O colombiano, 2º classificado da geral, o francês da AG2R, o italiano da Astana e outros ciclistas como Daniel Martin, Barguil, Simon Yates, deram mostras sólidas daquilo que podem vir a realizar no futuro. Para o ano podemos ter Mikel Landa a correr por outra equipa porque nota-se a milhas que o espanhol não está contente com o seu papel dentro da equipa Sky. Tom Dumoulin, será, ao que tudo indica, a aposta da Sunweb para o Tour do próximo ano. O holandês poderá ser, em virtude da sua combatividade na alta montanha, do seu calculismo apurado, e da versatilidade provida pela sua altíssima especialidade no contra-relógio, a autêntica sombra de Froome nas próximas edições da prova francesa. Richie Porte também aparecerá em 2018 mais forte. O australiano deverá querer decerto fintar o azar que o vitimou na edição deste ano de forma tão precoce quando a corrida estava definitivamente a abrir. O australiano é louco o suficiente para tentar, tentar, tentar até aos 45 anos e só irá ficar satisfeito quando puder vencer o Tour. Alejandro Valverde poderá efectivamente não voltar à prova francesa mas Nairo Quintana não será o modesto NairoMan que vimos, fruto do cansaço acumulado devido à participação no Giro, na prova deste ano. Thibaut Pinot também deverá apostar à séria na edição de 2018, para vingar o mau desempenho geral da equipa FDJ na sua “prova rainha” da temporada. A estes nomes irão naturalmente acrescentar-se outros da nova geração. Manny Buchmann, Julien Alaphillippe (faltou à chamada por lesão), Adam Yates, Jan Hirt, Pierre Roger Latour, terão o seu espaço para crescer e para brilhar no futuro. O nível vai subir daqui em diante. Froome sabe. Toda a gente que segue esta modalidade, sabe. Vencer uma grande volta será cada vez mais difícil para um ciclista, indiferentemente do seu estatuto e da sua qualidade. O que não falta na hodiernidade da modalidade é talento, competência e vontade no pelotão internacional.

Continuar a ler “Tour de France – 20ª e 21ª etapa – O inevitável epílogo”

Tour de France – 15ª etapa – Bauke Mollema salva a honra do convento da Trek Segafredo

Quando a formação sediada no Luxemburgo tomou conhecimento da extinção da saudosa Tinkoff pela boca do seu excêntrico proprietário Oleg Tinkoff, tratou imediatamente de perceber se poderia atacar um ou mais activos da formação russa, com especial incidência sobre Alberto Contador. A contratação (imediata; foi comunicada pela sua nova equipa alguns dias depois de ser conhecido o final do projecto do banqueiro russo) do histórico trepador espanhol travou o progresso que a equipa vinha a realizar nos últimos anos com o seu chefe-de-fila absoluto Bauke Mollema.

Contratado em 2015 à Belkin (a equipa que comprou a licença de participação no World Tour da histórica Rabobank, máquina de formação que ao longo de décadas formou grande parte dos maiores talentos do ciclismo holandês) a Trek esperava que Mollema fosse capaz de reafirmar, nas grandes voltas, uma equipa sem grande rumo estratégico desde o momento em que os irmãos Schleck se finaram para o alto rendimento. À época, o trepador holandês já tinha alcançado resultados divinais nas grandes voltas, nas provas por etapas de uma semana e em algumas clássicas do calendário internacional. Para termos uma ideia, em 2015, Mollema já tinha realizado um prodigioso 4º lugar na Volta à Espanha de 2011, um 6º lugar no Tour de 2013 e um 10º lugar na edição de 2014. Tido em 2015 como um ciclista capaz de vir a lutar no futuro por uma vitória numa grande volta, estas eram as expectativas que a Trek depositava no corredor dos Países Baixos.

Mollema não desiludiu nos 2 anos em que foi o chefe-de-fila da equipa luxemburguesa. Mas também não evoluiu para o patamar que era esperado pelos responsáveis da equipa. Nas edições de 2015 e 2016, o holandês alcançou, respectivamente, um 7º lugar e um 11º lugar. Contudo, a formação luxemburguesa comandada pelo italiano Luca Guercilena apercebeu-se claramente das limitações do atleta: Mollema é um grande trepador (muito defensivo, é certo) mas não tem grande margem de evolução na arte do contra-relógio, facto que efectivamente lhe castra as possibilidades de vencer uma grande volta de 3 semanas.

A contratação de Alberto Contador surgiu portanto inserida como uma consequência dos resultados que o holandês obteve nos últimos 2 anos: ao contratar o espanhol, a formação luxemburguesa pretendeu apanhar os fogachos de virtuosismo que o consagrado espanhol ainda possa oferecer. Como tem vindo a provar ao longo dos últimos 15 dias, Alberto Contador não irá conseguir realizar melhor do que o resultado que foi obtido pelo holandês nos últimos dois anos. Mollema foi transformado portanto, no início desta temporada, numa espécie de sombra do espanhol. Nem se pode apelidar de gregário porque o italiano nunca está perto de El Pistolero quando este mais necessita.

Na chegada a Le-Puy-en-Velay, o holandês foi um dos numerosos ciclistas que tentaram a sorte logo no início da etapa. Com uma espantosa movimentação na descida que se realizou logo a seguir à primeira categoria de La Peyre Taillade, o holandês conseguiu “salvar a honra do convento da Trek” numa etapa caótica.

Continuar a ler “Tour de France – 15ª etapa – Bauke Mollema salva a honra do convento da Trek Segafredo”

Tony Martin

Tem sido tão bom apreciar o imaculado comportamento de Tony Martin na descida para o Col de la Peyre Taillade. O tetracampeão do mundo de contra-relógio é um verdadeiro espectáculo dentro do espectáculo. A forma em como o seu corpo não dança um milímetro na bicicleta enquanto pedala as trajectórias perfeitas e a “pedalada solta” à verdadeiro rolador, é um “must” que nos faz aprender mais sobre esta modalidade.

Tour de France – Stage 14 – O potente Michael Matthews; Em Rodez, a camisola amarela voltou ao corpo de Chris Froome

Phillip Gilbert entrou extraordinariamente bem no lançado. O belga conseguiu engajar-se muito bem na tentativa de lançamento que o seu compatriota, o actual campeão belga, Oliver Naesen (AG2R) tentou realizar para Romain Bardet e Jan Bakelants. Contudo, os esforços do icónico ciclista da Quickstep acabaram por ser algo precipitados. O belga lançou muito cedo o sprint, sendo verdadeiramente “comido de cebolada” nos metros finais pelo seu compatriota Greg Van Avermaet e por Michael Matthews, ciclistas que conseguiram seguir na sua roda. 

Ao 14º dia, Michael Matthews pode finalmente saborear novamente o paladar da vitória no Tour! A difícil chegada (em ligeira ascensão) a Rodez era à partida uma das etapas onde o explosivo ciclista australiano da Sunweb poderia fazer a diferença visto que Matthews é, em conjunto com outros ciclistas como Peter Sagan, Greg Van Avermaet, Alejandro Valverde, Philip Gilbert, Michal Kwiatkowski, Rui Costa, Vincenzo Nibali ou Enrico Gasparotto, um dos ciclistas que mais ATP consegue sintetizar neste tipo particular de chegadas, gerando por conseguinte a energia necessária para poder aplicar imensa potência no seu sprint.

Sem a presença de Marcel Kittel no sprint final (a chegada era completamente antagónica às suas características; a probabilidade do alemão chegar aos metros finais em condições de disputar a etapa eram diminutas; acabou por sucumbir a cerca de 40 km da meta devido ao imenso vento lateral que se fez sentir na última hora de corrida) no sprint final (a etapa veio a revelar-se mais complicada do que inicialmente aparentava) o australiano pode garantir a 2ª vitória consecutiva de etapa para a sua equipa ao bater Greg Van Avermaet e Edvald Boasson Hagen nos metros finais. A Sunweb atingiu a plenitude dos objectivos traçados para a prova francesa. Matthews conquistou hoje a sua 2ª vitória da carreira na Grand Boucle.

Continuar a ler “Tour de France – Stage 14 – O potente Michael Matthews; Em Rodez, a camisola amarela voltou ao corpo de Chris Froome”

Imagem do dia

No seguimento do post de ontem. Dia após dia, este tem sido invariavelmente o cenário na dianteira do pelotão. É possível não admirar e não enaltecer o estupendo esforço que este homem (Tiago Machado) tem depositado na estrada, etapa após etapa, para que a sua equipa, em geral, e o seu sprinter e chefe-de-fila Alexander Kristoff, em particular, conquistem o seu principal objectivo na prova?

A sobriedade de Tiago Machado

Quando eu era petiz, havia determinados aspectos que também não percebia no ciclismo. Essas incompreensões sobre alguns aspectos da modalidade não eram, ao contrário do que usualmente acontece com as crianças, fruto de algum desconhecimento técnico ou táctico sobre a modalidade, porque desde cedo desenvolvi um especial interesse pelas acções e características de todos os corredores, pelas decisões tácticas e estratégias que eram tomadas pelos seus directores desportivos, e pelo próprio contexto de evolução da modalidade – como sempre fui uma criança curiosa, sempre que queria saber mais sobre determinado corredor ou sobre determinada equipa, socorria-me das muletas que tinha mais à mão: o meu pai e o meu avô. Mais o meu avô porque o meu pai não acompanha regularmente a modalidade desde há 2 décadas a esta parte.

Essa incompreensão surgia quase sempre em virtude do contexto da temporada em questão: não percebia o porquê do José Maria Jimenez não ser o chefe-de-fila da Banesto, não percebia, por exemplo a razão pela qual o Michelle Bartoli (o melhor puncheur dos anos 90) não corria regularmente provas por etapas ou a razão pela qual o Pavel Tonkov não aparecia no Tour de France. Na altura, confesso que desconhecia por completo o indispensável planeamento que era realizado por todas as equipas no início da cada temporada. Nada mais natural para uma criança de 7 ou 8 anos. A falta de informação sobre o que se passava lá fora também não nos ajudava a perceber quais eram os objectivos que todas as equipas traziam para as grandes voltas.  Continuar a ler “A sobriedade de Tiago Machado”