Talento ou fogo de vista?

Não tenho palavras. É uma dádiva. Há muito que não via nada assim…” – Guardiola sobre Phil Foden, o miúdo de 17 anos que deslumbrou no amigável realizado contra o Manchester United.

Já vimos e até o próprio Guardiola já viu este filme vezes sem conta. Não quero de todo ir novamente contra as suas declarações, porque obviamente não sou nada nem ninguém no mundo do futebol para criticar os ímpetos de paixão de um treinador consagrado sobre um jogador cuja informação disponível é neste momento diminuta. O técnico espanhol trabalha diariamente com o jogador. Reconheçamos portanto ao treinador esse conhecimento de causa que não possuímos. Continuar a ler “Talento ou fogo de vista?”

A humildade de Xavi

tactical room

Em entrevista à fabulosa Tactical Room de Martí Perarnau. Recomendo a sua assinatura. São provavelmente os 35 euros anuais mais bem gastos das vossas vidas, se realmente amam o mundo do desporto. A revista The Tactical Room é uma revista online com 150 páginas dedicadas a vários desportos. Para além de uma série de entrevistas a atletas, dirigentes ou agentes ligados ao mundo do desporto, e da cobertura de diversas provas desportivas, a revista oferece uma série de artigos especializados\técnicos sobre futebol.

“”Es mi última temporada como futbolista. Ahora mismo yo no podría ser entrenador, no puedo engañar a nadie. Me falta muchísimo por aprender para poder ser entrenador. Conozco la metodología, pero he de aprender a usarla (…) Mi idea como entrenador pasa por parámetros de ser protagonista, tener el balón, recuperarlo pronto y si puedo tener el 90% de la posesión, mejor que el 89%. Yo sufro si no tengo la pelota y como entrenador me ocurrirá igual”

Como? Pode repetir? Um dos melhores médios da história do futebol, um jogador que sabia literalmente tudo sobre futebol, um atleta que trabalhou numa das maiores casas de alto rendimento desportivo do mundo com vários dos melhores treinadores da história da modalidade, um jogador que comandou equipas que venceram tudo o que havia para vencer na modalidade, não só acredita que não está pronto para ser treinador como defende que ainda lhe falta muito para poder vir a ser treinador! Humildade. A isto chamo, simplesmente, Humildade.

E o zé da esquina, aquele que passou a treinar os sub-12 do Arrifana depois de lhe serem reconhecidas (no café; a propósito de uns bitaites mandados pró ar) capacidades para distinguir um 4-4-2 de um 4-3-3 pode ser treinador?

Algumas notas sobre a saída de Nelson Semedo para Barcelona

Faço já a minha declaração de interesses antes de escrever uma única linha sobre o lateral direito: confesso-me um grande fã de Nélson Semedo. A minha opinião sobre o jogador não se alterou em virtude da transferência que hoje foi confirmada pelos dois clubes. A minha opinião sobre o lateral mantém-se intacta desde que Semedo foi lançado por Rui Vitória na equipa principal do Benfica. Eu adoro laterais raçudos que passam a vida no último terço adversário. Adoro laterais despachados e esclarecidos, capazes de desequilibrar através do drible, de acções de 1×2, de entradas pelo interior ou pelo exterior. Adoro laterais que sabem entrar nos espaços deixados em vazio. Adoro laterais que não utilizam o cruzamento como único recurso quando a bola chega aos pés. Adoro laterais que sabem jogar para o meio. Odeio profundamente todos os laterais que só sabem correr em linha recta quando recebem a bola no meio-campo adversário. Adoro laterais atrevidos que saibam inflectir para o interior para rematar ou para procurar uma linha de passe para as desmarcações dos avançados.  Continuar a ler “Algumas notas sobre a saída de Nelson Semedo para Barcelona”

Bloco de Notas da História #23

30 anos. 30 títulos. 30 mil jogadas de puro sonho. 30 mil momentos de pura magia. Por mais que o argentino faça em prol do futebol nos anos que lhe restam na carreira (esperemos que sejam muitos), nunca poderei “olvidar” aquele momento em que todos, sem excepção, percebemos que estávamos perante um fenómeno completamente invulgar: aquele golo histórico marcado frente ao Getafe no jogo disputado a 18 de Abril de 2017 em que o jovem de 19 anos apresentou literalmente a alma ao criador Diego Armando Maradona.

Relembro perfeitamente esse momento como se tivesse acontecido há 5 minutos atrás. Já não me lembro a razão que me levou a ver esse jogo com o meu pai mas creio que na altura deveria estar em casa dos meus pais a cumprir o período de férias relativas à Páscoa. Quando vimos o golo, eu e o meu pai ficámos completamente incrédulos a olhar para a televisão. Lembro-me perfeitamente do contraste entre o seu semblante em puro estado de choque e a orgia mental que me deu naquele momento: aquele golo que ele viu em directo em 1986, sensivelmente 1 ano antes de eu nascer, aquele golo que ele me tinha contado vezes sem conta (assim como as duas exibições realizadas por El Pibe contra o Sporting naquela mítica eliminatória a contar para a Taça Uefa de 1989\1990) estava a ser replicado, 21 anos passados, novamente por um argentino.

Os golos da semana

Apesar de não ter escrito muito nos últimos sobre “Bola” (aquela, redondinha, que rola pelo campo e que faz mover 22 homens) o sensacional slalom do argentino não nos passou em claro. Genial jogada do argentino sobre 6 jogadores para fechar a participação na Liga, numa vitória amarga dos catalães em virtude do facto do Real de Cristiano Ronaldo ter conquistado no domingo o seu 33º título espanhol.

Continuar a ler “Os golos da semana”

Hoje Escreve o Mister #10 – O pé direito de Messi

Por Pedro Sousa

Todos sabemos que Messi tem um pé esquerdo fantástico e o usa-o com muito mais frequência do que usa o pé direito, mas quando alguns usam argumentos algo facciosos quando afirmar que o jogador não faz golos, não passa ou não dribla com esse pé, aconselho estas pessoas a reconsiderar melhor os seus conhecimentos, porque para justificar o facto de gostarem mais de um determinado ídolo, não se pode menosprezar as qualidades nos outros sem um verdadeiro conhecimento de causa!

Ora, vejam lá bem este vídeo, e verifiquem com os vossos olhos que até livres com o pé direito ele marca, os lançamentos fantásticos a vários metros ele faz, para além de todas as outras qualidades que ele tem! Tomariam muitos ter um pé direito tão bom como o de Messi!

Cada jogador tem as suas qualidades e alguns são os melhores deste planeta nas suas características muito específicas. De Messi não sabemos bem de que parte do universo foi inspirado… porque neste momento não existe um único jogador que tenha todas as suas qualidades.

Deliciem-se com o pé direito do…Messi!