Final do Campeonato do Mundo B (Trophy) de sub-20

Créditos da foto do XV titular frente à selecção Japonesa: Federação Portuguesa de Rugby

A selecção nacional de sub-20 de Rugby irá, dentro de aproximadamente duas horas, jogar a final do Campeonato do Mundo B de Juniores (Trophy) em na capitão do Uruguai, Montevideu, frente à poderosa formação do Japão. Em caso de vitória, a selecção orientada por Luís Pissarra e capitaneada por António Vidinha conseguirá um título inédito para o rugby português que garantirá o acesso à próxima edição do Mundial de elite do escalão.

A partida terá transmissão em directo na página da World Rugby. 

Para chegar à final, a selecção nacional bateu a selecção anfitriã do Uruguai por 20-18, a selecção de Hong Kong por 31-24 e a forte selecção das Fiji por 16-13. Já a formação japonesa bateu a formação do Chile por 28-22, a selecção do Canadá por 50-12 e a Namíbia por 33-13.

O seleccionador nacional Luís Pissarra fez uma breve antevisão à partida.

Anúncios

Os golos do dia

Inicio este post com a fantástica execução de Cristiano Ronaldo num jogo em que sinceramente o potencial do adversário não deixou muito para contar. Jogo totalmente dominado pela nossa selecção no qual apenas saliento, como única alteração (positiva) de maior visibilidade em relação aos desempenhos nos jogos da Taça das Confederações, a maior mobilidade dos médios alas para terrenos interiores. Tanto João Mário (a procurar claramente o interior) como Bernardo Silva criaram, em posição interior, muitas dificuldades de marcação à linha média dos ilhéus e permitiram a maior projecção dos laterais, numa estratégia de criação de volume de jogo quase sempre alicerçada na construção através das constantes variações entre flancos e constituição de triângulos (com as descidas de Ronaldo até à meia-interior, principalmente no flanco esquerdo) de superioridade nos corredores para deixar um homem solto para cruzar. Cruzamentos. Muitos cruzamentos à procura de André Silva e de Cristiano Ronaldo. Cruzamentos em jogadas pensadas ou de primeira em velocidade, como tantas vezes colocou Cédric.

Continuar a ler “Os golos do dia”

O primeiro de muitos, esperemos

Portugal descobriu o futebol feminino há cerca de um ano. Até eu, fui apanhado na rede daqueles que não seguiam com o mínimo de atenção o percurso de evolução da modalidade em Portugal e até no mundo.

Até à entrada do meu clube, o grande Sporting Clube de Portugal (creio que esta revelação in loco já não é uma novidade para ninguém que segue atentamente este blog!) no principal escalão do futebol feminino português, de futebol feminino conhecia pouco ou até mesmo muito pouco. O pouco conhecimento que detinha resumia-se a uma passagem de olhos pelos resultados das selecções nos torneios internacionais ou nos jogos de qualificação para as grandes competições internacionais (jogos em que selecções como a Escócia, a Inglaterra ou a Espanha goleavam as nossas jogadores sem piedade),  uma passagem de olhos pelos resultados e pelas raras notícias que eram fabricadas pelos correspondentes das várias equipas existentes no distrito de Aveiro e uma ou outra notícia sobre a transferência de uma jogadora da região para o estrangeiro. Os feitos de Diana Silva quando jogou no Clube de Albergaria eram portanto “feitos” meramente de jornal. A modalidade não me suscitava interesse, se bem que por vezes, o meu habitual zapping apanhava a transmissão de um ou outro jogo da Liga dos Campeões Feminina na Eurosport. Continuar a ler “O primeiro de muitos, esperemos”

Uma questão de justiça

1 ano decorrido sobre o inigualável feito, penso que ninguém deu o devido valor ao guarda-redes do Sporting. Se Patrício não tivesse feito as espectaculares defesas que fez contra a Croácia (se não figurar um dia no apanhado das 10 melhores defesas da história dos europeus, creio que é uma tremenda injustiça), contra a Polónia…

(…)e frente à França…

o herói improvável não teria sequer entrado para fazer o golo mais improvável da história do futebol deste país.

Que laxismo!

Pesem, e de que maneira, a grande penalidade falhada por André Silva no primeiro tempo e as 4 oportunidades de golo que materializaram o primeiro grande fogacho de futebol desta selecção na Taça das Confederações (a sincronia entre o flanco direito foi óptima e Pizzi acrescenta definitivamente mais velocidade às transições), parecia estar tudo a correr dentro de uma bitola aceitável. Até ao momento em que a defesa portuguesa meteu água. Guarda-redes incluído. Como é que Carlos Vela entra ali naquela posição pelo meio dos centrais? Porque é que Rui Patrício encolheu-se por completo?

A má exibição de Renato Sanches frente aos sérvios explicada

Como não somos de intrigas nem de meias verdades, nem gostamos de ser tratados como estúpidos quando lemos coisas do género “o Renato foi o melhor em campo na 2ª parte do jogo contra os sérvios” decidimos fazer um post para rebater essa mesma afirmação. Vejamos:

1ª Situação – Minutos 0:31 a 0:35 do vídeo

O jogador sente que vai entrar um sérvio nas suas costas para receber o passe. É rápido a ler o jogo e a antecipar-se para recuperar a posse do esférico. Recupera a bola e promove uma excelente aceleração. Até aqui nada de novo “no jogo do jogador”. Pensávamos nós porém que o jogador tinha evoluído no capítulo do passe no Bayern… Continuar a ler “A má exibição de Renato Sanches frente aos sérvios explicada”

Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 1-3 Espanha – Milagres? Não há Sr. Rui Jorge

No sábado, contra os sérvios, relatei aqui um jogo no qual foi feito tudo para dar errado e tudo acabou estranhamente por dar certo. Da entrada que nos foi servida por Rui Jorge, comi só pela metade porque naquele momento tive o bom senso de guardar o meu estômago para as provas do prato principal frente aos espanhóis. No jogo frente à selecção espanhola queria perceber se a estreia dos sub-21 portugueses frente aos sérvios tinha sido um mero e normal momento de nervosismo inerente a estes momentos ou um sintoma avançado de um grupo extremamente desequilibrado e mal trabalhado.

Frente aos espanhóis fiquei com a sensação que o actual elenco que o seleccionador levou à Polónia é um elenco que reparte entre si um bocado de tudo: de desequilíbrio, de falta de qualidade e de falta de trabalho. A repetição de processos de jogo é exasperante, a falta de intensidade do meio-campo é exasperante. A incapacidade de Rúben Neves em organizar devidamente o jogo é gritante. A falta de uma referência de área é exasperante. Aquele lateral esquerdo que fomos importar à Real Sociedad é das coisas mais fracas que vi a jogar numa selecção portuguesa. Os maus cruzamentos do Cancelo levam-nos à loucura (ainda para mais quando não existia uma referência de área) e na melhor parte do pano, aquela fífia cavalar do Rúben Semedo estragou uma boa exibição do central na abordagem a 90% dos lances em que foi chamado a intervir. Para vencer por 3-1, os espanhóis nem tiveram que forçar o andamento. Tiveram apenas que ser mais competentes e eficazes nos momentos chave da partida.

No meio disto tudo acabaram por se salvar as exibições de Bruma, de Daniel Podence, de João Carvalho (a espaços) e de João Cancelo. Daniel Podence foi de longe o elemento mais desequilibrador frente à turma espanhola mas, na cabeça do seleccionador, as 3 ou 4 situações de golo que criou não foram suficientes. Outros jogadores com Rúben Neves ou Renato Sanches continuam a receber carta branca para se arrastar em campo. Quando assim é, não podem existir milagres Sr. Rui Jorge.  Continuar a ler “Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 1-3 Espanha – Milagres? Não há Sr. Rui Jorge”