Os golos do dia

Ainda sobre a ronda de jogos que se disputaram a meio da semana enquanto se pisca o olho à nova jornada que está aí à porta com vários jogos na noite desta sexta-feira.

Um classico à Kolarov

No 2º golo da goleada infligida pela Roma ao “pobre” Benevento, equipa que ainda não somou qualquer ponto no seu regresso ao convívio com os grandes 82 anos passados da sua primeira participação no campeonato do primeiro escalão do futebol transalpino. Acção individual clássica do possante lateral esquerdo internacional sérvio, jogador que reforçou a formação de Eusébio Di Francesco na presente temporada, após ter sido dispensado por Pep Guardiola.  Continuar a ler “Os golos do dia”

Anúncios

Os golos da jornada (2ª parte)

 

Regresso ao tema interrompido no post anterior, para mostrar o 3º golo do Chaves frente ao Moreirense. A formação de Luís Castro é na minha sincera opinião uma das equipas que melhor futebol tem praticado neste arranque da Liga Portuguesa. No entanto a prática de um futebol de elevado quilate de qualidade, estético, no qual se denota a existência de imenso trabalho de um treinador na expressão e na operacionalização das suas ideias de jogo junto dos seus jogadores, nem sempre vem acompanhada de resultados, dos malvados resultados. Dos malvados resultados que catapultam treinadores medíocres (metodologicamente; aqueles cuja qualidade do plantel chega e sobra para se alcançarem vitórias, sem que por trás tenha existido todo um trabalho de fundo do treinador na construção identitária da equipa e na modelação de jogadores para uma determinada forma de jogar) para o estrelato e que empurram bons treinadores, aqueles que num mar de incertezas conseguem construir e consolidar um bom modelo de jogo, modelando um plantel inteiro (cuja matéria-prima é por vezes desconhecida quando este assume funções ou sistematicamente alvo da cobiça de outros clubes) cada jogador à sua forma de jogar, para o abismo ou para um certo estado de ostracismo junto do grande público.  Continuar a ler “Os golos da jornada (2ª parte)”

Os golos da jornada

Começo este post com o lance que deu origem ao primeiro golo do Inter na vitória dos nerazzurri por 2-0 sobre o recém promovido SPAL no jogo disputado durante a tarde de hoje no Giuseppe Meazza. A equipa de Luciano Spaletti está a conseguir realizar um prometedor arranque de temporada. Com 3 vitórias em 3 jogo e um futebol de um grau de qualidade muito aceitável, Spaletti parece estar a querer elevar o nível na formação nerazzurri. Veremos até onde este ciclo de vitórias se poderá estender.

Frente ao SPAL, modesta equipa patrocinada pela histórica e homónima empresa de porcelanas mundialmente conhecida que tem a sua sede na cidade de Ferrara (Emília Romagna; zona do vale do Pó) a formação do Inter teve algumas dificuldades para conseguir chegar ao primeiro golo em função das dificuldades criadas pela boa cobertura posicional do adversário no seu bloco recuado. Uma boa jogada realizada no interior do bloco adversário valeu a conquista (a João Mário) da grande penalidade que Mauro Icardi concretizou.  Continuar a ler “Os golos da jornada”

Alejandro Gomez

Existem casos no futebol mundial que me causam alguma estranheza. Um desses casos é o do criativo argentino Alejandro Gomez da Atalanta. Não consigo perceber como é que um jogador tão talentoso, com um trato de bola tão fácil, tão criativo e desequilibrador (sem ser um brinca na areia; Gomez não é um jogador de futebol rendimento, antes pelo contrário; é um jogador super objectivo, de altíssima rotação, sempre com os olhos postos na progressão e na criação de situações de ruptura\finalização) o, tão forte no drible, no último passe e na tomada de decisão, com uma prestação tão boa nas últimas 2 temporadas (23 golos e 19 assistências; 2,5 passes para oportunidades de golo por jogo, 5 dribles em média) continua, aos 29 anos, votado ao desprezo por parte dos grandes emblemas do futebol italiano. O jogador não é, se assim posso dizer, um talento forjado no presente, uma espécie de fruto colhido ao sabor do momento, cuja fiabilidade é incerta e cuja mentalidade pode não obedecer aos critérios vencedores dos grandes. É um jogador sólido, de provas dadas ano após ano no futebol italiano, cujo rendimento na época passada alterou por completo as probabilidades que eram atribuídas no início da época à Atalanta. Gomez foi um dos responsáveis (senão o principal responsável) pela subita transformação de um candidato crónico à descida num clube que irá disputar a presente edição da Liga Europa. Não é portanto um jogador de quem se possa vir a afirmar “ah e tal, é um jogador bom para clubes pequenos que acusará a pressão da camisola se for para um clube grande\só enquadra numa estratégia de jogo em contra-ataque” – os grandes jogadores, em especial, aqueles que demonstram todo o seu talento nos clubes pequenos, são aqueles que mais merecem os grandes palcos para explanar todo o seu futebol.

Os golos da jornada

O regresso do Mónaco de Jardim

Após a realização de uma pré-temporada algo periclitante no qual se depreendeu claramente que Leonardo Jardim terá que refazer a sua equipa (sem abdicar do seu tradicional modelo de jogo e da sua abordagem às partidas) com outros craques que a extraordinária formação (e direcção) monegasca lhe oferece, face às saídas de jogadores importantes como Benjamin Mendy, Tiemoué Bakayoko, Bernardo Silva e ao que tudo indica, Kylian Mbappé, a formação monegasca voltou, frente ao Marselha, ao seu estilo habitual. Do pouco que pude ver vi que a equipa voltou a recuperar os seus processos de jogo habituais (pressão alta à saída adversária, ataque à profundidade, tabelas no jogo interior, aceleração no contra-ataque seguida de abertura para a entrada de Thomas Lemar na esquerda) e foi muito eficaz nos lances de bola parada. O exemplo disso foram os golos apontados pelo central internacional polaco Kamil Glik e Radamel Falcão, em dois lances nos quais a formação orientada por Rudi Garcia cometeu dois inexplicáveis erros de marcação. No primeiro lance é inacreditável, para uma equipa que treina semanalmente lances de bola parada, o facto de terem aparecido 4 jogadores em zona de finalização sem marcação ou sem que a equipa pudesse justificar as falhas de marcação com um acto de subida da linha defensiva no momento do passe para deixar os monegascos em offside.

Thumbs down para Rudy Garcia. Este é um daqueles lances que deixa qualquer treinador à beira de um ataque de nervos. Ou melhor: lances. O Mónaco marcou 3 golos dos 6 golos em lances de bola parada. Garcia terá portanto muito trabalho pela frente neste capítulo durante os próximos 15 dias.

Continuar a ler “Os golos da jornada”

Os golos do dia

Começo pelo quentinho clássico disputado no Olímpico entre a Roma e o Inter (1-3) mais concretamente pelo lance do golo que deu vantagem aos romanos numa partida em que a formação de Eusébio Di Francesco mandou 3 bolas aos ferros da baliza de Samir Handanovic.

Bom trabalho de Grégoire Defrel a encontrar a linha de passe para Naingollan perante a desvantagem que possuia frente aos 2 jogadores do Inter que estavam a realizar a cobertura. O cruzamento do belga é soberbo assim como também é a desmarcação do ponta-de-lança bósnio no meio dos dois centrais da formação de Spalletti. Aproveitando a falha de marcação, o bósnio pede atempadamente a bola para as costas, posiciona-se no limite da linha defensiva, entra nas costas dos centrais, mata a bola no peito e coloca um daqueles remate secos dignos do killer instinct que só os grandes pontas-de-lança conseguem ter no momento de finalizar.

Continuar a ler “Os golos do dia”

Quando um passe destes é meio golo (visão de jogo)

Kevin Strootman para Stephen El Sharaawy no quentíssimo Chievo Verona 3-5 AS Roma.

Perfeita sintonia entre médio e avançado, revelando ambos uma fantástica visão de jogo. Porque a visão de jogo é precisamente isto: fazer uma leitura muito rápida (face ao tempo muito limitado que um jogador tem para ler, pensar, executar ou mover-se adequadamente sem bola para ir para determinado espaço) do quadro posicional de todos os jogadores e perceber, onde é que existe espaço para jogar e\ou onde é que podemos tirar uma vantagem com a nossa acção, com bola ou sem bola (pronto a recebê-la nesse espaço). Ambos os jogadores da formação romana vislumbraram o espaço aberto pela defesa do Chievo no frame em questão, tratando-se o resto (o passe e a finalização do avançado italiano) de pormenores técnicos de excelência.