Tudo errado! – Uma dúzia de pensamentos soltos e factos sobre o empate do Sporting em Moreira de Cónegos

jorge jesus 3.jpg

Estava profundamente enganado. Quando há algumas semanas atrás escrevi neste preciso espaço a ideia de que Jorge Jesus estaria, na presente temporada, mais consciente e mais criterioso na gestão que faz do seu plantel, escolhendo com prudência e mestria as soluções ideais para cada “tipo de adversário” estava profundamente enganado: os erros básicos de percepção e análise dos pontos fortes e fracos do adversário e a incapacidade evidente que o treinador do Sporting possui para “pensar um jogo de cada vez”, leva-o a cometer erros desnecessários (dados os objectivos traçados para a temporada e ao contexto do grupo de Champions no qual está inserido) que custam pontos e que custam, acima de tudo, títulos ao clube. Sempre que Jesus inventa, o Sporting perde pontos. Sempre que a equipa vem de um jogo contra um grande europeu, a equipa perde pontos. Só um treinador com uma enorme (inabalável) fé na(s) (falta de) qualidades de um jogador cuja prática (ou falta dela), perdoem-me a expressão, mete, a cada dia que passa, os adeptos leoninos à beira de um ataque de nervos, leva o treinador leonino a prescindir (num jogo em que era mais que “certo e sabido” que o adversário iria tentar complicar ao máximo a circulação leonina com uma boa prestação defensiva, com um enorme espírito de combate e com processos de jogo essencialmente formatados para a saída em contra-ataque) de um jogador de combate, colocando no seu lugar um jogador que não acrescenta nada a esta equipa. Nada. Volto a repetir. Nada.  Continuar a ler “Tudo errado! – Uma dúzia de pensamentos soltos e factos sobre o empate do Sporting em Moreira de Cónegos”

Anúncios

75 minutos de categoria, 5 minutos de terror e muita liberdade para Brahimi criar

brahimi

Brahimi fez uma joga de outro mundo. Ao longo dos 90 minutos não me recordo sinceramente de uma acção onde o extremo do Porto tenha decidido ou definido mal. Dar espaço ao argelino para criar é um verdadeiro veneno que qualquer equipa deve evitar, dadas as melhorias que este está a ter no capítulo da tomada de decisão. Acelerando quando necessitava de acelerar o jogo, pausando quando precisava que a equipa subisse mais no terreno, partindo para o drible quando tinha que partir e soltando a bola no momento certo para a opção mais correcta no momento, o argelino fez tudo bem. 

No Dragão, Vítor Oliveira decidiu cumprir o plano de jogo prometido na conferência de imprensa de antevisão à partida do dragão. O treinador do Portimonense não colocou o autocarro à frente da baliza, mas optou por uma arrojada organização defensiva que lhe causou muitos dissabores na primeira meia-hora.

A disposição de um bloco de 4 linhas relativamente subido terreno, compacto em aproximadamente 40 metros (pouco pressionante e com algum espaço entre linhas para os “interiores” poderem receber e definir; no drible ou no passe vertical; com muito espaço entre a linha defensiva e o guarda-redes) acabou por ser, na minha opinião, um plano de organização defensiva bastante arrojado face a uma equipa cujos médios estão sempre à coca da possibilidade de colocar a bola em profundidade para as desmarcações em velocidade dos seus pontas-de-lança (fortíssimos no ataque à profundidade) e cujos laterais se projectam bem no terreno na tentativa de criarem superioridade numérica nos corredores. A evidente falta de pressão dos algarvios a meio-campo permitiu aos portistas, em especial a Brahimi e Corona, o tempo e o espaço necessário para receber e criar livremente sem qualquer pressão, quer através do drible (rasgando o bloco adversário) quer através de combinações com o adversário quer através de inflexões para o miolo seguidas de variação de flanco.  Continuar a ler “75 minutos de categoria, 5 minutos de terror e muita liberdade para Brahimi criar”

Os golos da jornada (1ª parte)

A importância de uma boa saída na transição para o contra-ataque: o segredo da vitória do FC Porto em Vila do Conde. 

Começo este post com um par de notas sobre a vitória dos portistas em Vila do Conde.

A equipa de Sérgio Conceição teve na primeira parte algumas dificuldades para contrariar a bem montada estratégia de jogo por parte de Miguel Cardoso, estratégia que diga-se de passagem é a mais verdadeira matriz identitária desta equipa. À imagem e semelhança daquilo que fez contra o Benfica, nos primeiros 45 minutos, o treinador do Rio Ave (agente cujo “berço de treino” foi precisamente a formação do FC Porto) apostou nos habituais e bem trabalhados\apurados processos de construção da equipa (iniciados a partir de trás, dos pés do guarda-redes Cássio) para dominar a posse de bola, acima de qualquer outro aspecto, conseguir ultrapassar as duas primeiras linhas de pressão do 4x3x3 subido escalonado por Conceição para colocar os seus médios ofensivos, Tarantini e Barreto de frente para o jogo e com espaço para acelerar a construção ofensivo no meio-campo adversário, aproveitando o espaço existente entre a linha média e a linha defensiva da formação portista.  Continuar a ler “Os golos da jornada (1ª parte)”

À lei da bomba – 5 breves notas sobre a vitória do Sporting

1 – Os problemas criados pela boa organização defensiva do adversário – O Tondela de Pepa sabia muito bem o que vinha buscar a Alvalade e estava ciente do estilo de jogo que tinha que realizar para alcançar o resultado pretendido: o empate. A estratégia de jogo executada pelos tondelenses desde cedo revelou a carta de intenções para o jogo de Alvalade.

Com um bloco recuado no seu meio-campo em 4x4x2, sistema desdobrável no plano ofensivo para um 4x2x3x1 com Tomané solto na frente de ataque (a estratégia ofensiva delineada pecou em parte por falta de apoio ao avançado; por outro lado, sempre que recuperava a bola, a equipa não conseguiu ter algum critério na construção de jogadas), Pepa montou um bloco recuado e compacto com 3 linhas de pressão bastante activas e funcionais que visavam sobretudo contrariar a 1ª fase de construção do Sporting e anular o jogo interior entre as suas linhas.

Deixando os centrais de fora, a pressão de Pedro Nuno e Tomané activou-se sempre que William pegou no jogo. A equipa tondelense recusou portanto o convite que habitualmente é feito pelos centrais do Sporting quando saem a jogar a partir de trás. Tanto Coates como Mathieu tentaram em várias saídas chamar a equipa contraria à pressão, processo que visa abrir, a partir do adiantamento das linhas adversárias, espaço para Bruno Fernandes e William construir jogo com espaço e sem grande pressão adversária.

Com linhas muito próximas, pensadas para encurtar espaços e para ter sempre jogadores próximos para intervir (para pressionar e roubar para depois poder ter bola nos pés de forma a lançar o contra-ataque) em todas as zonas do terreno, muito bem orientadas e coordenadas pelos dois médios de cariz mais defensivo, sem saídas precipitadas de qualquer jogador para pressionar à toa (qualquer falha poderia libertar o espaço necessário para os leões praticarem outro tipo de futebol) a equipa tondelense esforçou-se para tentar limitar a construção de Bruno Fernandes (impedindo o médio de se virar de frente para o jogo) e para impedir que Alan Ruiz pudesse receber entre a linha média e a linha defensiva.  Continuar a ler “À lei da bomba – 5 breves notas sobre a vitória do Sporting”

Um problema para Rui Vitória resolver

rui vitória 3

Duas das características fulcrais, fundamentais e decisivas do comportamento defensivo (mais concretamente da fase de transição para a defesa) da formação de Rui Vitória reside na reacção dos jogadores à perda da bola e na capacidade (colectiva) que os jogadores encarnados possuem de se reorganizarem rapidamente no momento da perda de maneira a realizarem um contra-pressing imediato sobre o adversário, situação que permite à equipa encarnada estancar a iniciativa adversária e\ou obrigar o adversário a cometer erros na construção a partir de trás ou no momento da recuperação da posse de bola. Quando o adversário erra no momento de construção, a formação encarnada lucra porque tem processos demasiado bem trabalhados para capitalizar sobre o erro do adversário – um deles, o mais visível, é o ataque à profundidade (à procura das desmarcações de Haris Seferovic) que é realizado pelos seus dois médios (Pizzi e Fejsa) sempre que estes conseguem recuperar a bola a meio-campo.

Por outro lado, sempre que a equipa encarnada não é eficaz no primeiro momento de pressão (alta) existe sempre muito espaço para jogar nas costas do meio-campo, em especial no corredor central. Este problema agudiza-se ainda mais quando Rui Vitória não tem Ljubomir Fejsa em campo, visto deslocamentos constantes que são realizados pelo sérvio, quer para matar a transição adversária, quer para estar sempre perto do centro de jogo sempre que a equipa adversária consegue ultrapassar a pressão alta dos encarnados, de forma a intervir rapidamente na situação (apoiando quer os centrais, quer os laterais) para recuperar a posse (e lançar o ataque; característica que o sérvio adquiriu com Rui Vitória, diga-se em abono da verdade) são fulcrais para o sucesso defensivo da equipa encarnada.

Continuar a ler “Um problema para Rui Vitória resolver”

O golo do dia

Na Flash interview realizada após o término da partida, Vítor Oliveira falou da existência de um “chouriço” que andou em campo – não sei se o treinador do Portimonense se queria referir ao árbitro da partida (outro dos padres ordenados pela Fundação Benfica, palavras do nosso autor convidado Miguel Condessa) ou ao golo de André Almeida. Polémicas à parte (eu fico com a sensação que o penalty sobre Salvio é muito forçado; para tal apresento duas razões muito rapidamente e ao de leve para não gerar a indesejada controvérsia: 1. o toque per se não é suficientemente desequilibrador. 2. o toque acontece precisamente quando o extremo do Benfica falha a recepção; noutro âmbito, o golo anulado ao Portimonense é bem anulado; vantagens da inserção da figura e da tecnologia complementar, ou seja, mais um argumento para todos aqueles a quem custa confiar, por comodismo e por razões relacionadas com a manutenção do status quo de determinado clube, na modernidade das novas tecnologias) o que é certo (custa-me ter que escrever isto em abono da verdade de um cepo que só serve para dar fruta) é que o lateral parece ter toda a intenção de fazer aquele remate. Pelo menos dá-me a ideia que o jogador olha para o ponto em que quer colocar a bola e inclina ligeiramente o tronco para trás para fazer a bola subir. Se efectivamente estes movimentos corresponderem à verdade, foi um golaço de levantar estádios.

 

Desconforto e até algum nervosismo na Feira

Três breves notas em relação aos primeiros 45 minutos do Feirense vs Sporting.

  1. Primeiro teste pós-Adrien com Battaglia na posição 8, frente a uma equipa que está a ser muito inteligente no preenchimento dos espaços e a toda a largura do terreno ao longo destes 45 minutos. Se a coisa, nos primeiros 20 minutos, já estava complicada em função da desorientação de Battaglia e do encurtamento entre as linhas realizada pela formação da Feira, facto que obrigava Bruno Fernandes a ter que procurar espaços para jogar fora da órbita do corredor central (fora do raio de acção de Babanco e Cris), a lesão de Piccini (ele que estava conjuntamente com Gelson um dos mais dinamizadores) veio complicar tanto a fase de construção como a fase de criação do Sporting em função das mudanças que Jorge Jesus foi obrigado a realizar. Ao ter passado Battaglia para a posição de defesa direito e Bruno para o lugar do argentino ao lado de William, o Sporting perdeu claramente fase de criação porque Alan Ruiz não acrescenta nada ao jogo ofensivo dos leões: não é móvel (raramente procura cair nas alas para criar superioridade numérica), não é expedito a decidir quando recebe a bola, raramente  consegue acrescentar progressão com o passe. A única nota positiva do argentino foi quando este foi ao flanco esquerdo executar uma triangulação para colocar Acuña na linha sem oposição para cruzar.
  2. Uma equipa nervosa a construir a partir de trás. Uma gaffe de Mathieu poderia ter oferecido um golo a Edson Farias e dois passes de William em zona proibida permitiram ao Feirense colocar dois ataques prometedores no último terço.
  3. Perda do controlo do meio-campo. Tiago Silva está a fazer o que quer e o que não quer deste meio-campo do Sporting. Sem Adrien e com Battaglia na direita, o Sporting perde claramente capacidade de pressão quando a equipa perde a bola no meio-campo ou no meio-campo adversário. Muitas vezes tem que ser Gelson a vir rapidamente ao meio pressionar para estancar a iniciativa adversária. Tiago Silva é um jogador com uma enorme inteligência a construir, visto que é um jogador que sabe medir muito bem os tempos de jogo, consegue facilmente retirar a bola das zonas de pressão e acrescenta verticalidade ao jogo da equipa de Nuno Manta.