Padrões de comportamento em futebol

A identificação de padrões de comportamento é o principal objectivo da análise táctica, é o mantra que norteia todo o processo de observação, interpretação e análise, contextualização e transmissão das informações sobre o “jogar” de determinada equipa. As equipas tem modelos de jogo elaborados pelos seus treinadores e construídos nas sessões de treino. Padrões de comportamento são acções que se repetem porque são treinadas exaustivamente pelos treinadores nessas sessões de treino. Faço uma pausa à narrativa para mostrar um exemplo muito concreto de uma sessão de treino comandada pelo Deus Arrigo num treino da selecção italiana em 1992:

Um processo de jogo ofensivo passível de se constituir como um padrão do jogar daquela equipa. Sacchi era um treinador que defendia a construção de uma identidade e a ideia de que a equipa deveria em qualquer circunstância ditada pelo adversário manter-se fiel à sua identidade ou seja, aos processos construídos. Sacchi era portanto um treinador que não dava muito espaço para a inovação.

Qualquer análise ao jogar de uma equipa deve portanto decifrar as orientações transmitidas pelo treinador aos seus jogadores. Essas orientações são no fundo os princípios (dinâmicas individuais e colectivas; acções tomadas por um jogador em determinado momento sob determinado contexto) que o treinador visa trabalhar nos seus jogadores para que o futebol da equipa tenha uma sequência lógica e possa contrariar a acção adversária, quer no plano defensivo, quer no plano ofensivo. A execução sistemática desses princípios em competição, revela comportamentos susceptíveis de exibir traços que permitem ao observador identificar padrões de jogo. A observação de uma sequência de jogos clarifica ainda mais estes padrões, evidenciando portanto um conjunto de informações que auxilia o observador a trabalhar a equipa de forma a contrariar esses mesmos padrões.

Nem todo o futebol é, porém, padronizado. O Mestre Júlio Garganta escreveu há uns anos, uma frase que me ficou retida no pensamento a propósito desse assunto: “O comportamento dos jogadores e das equipas, embora repousando sobre uma organização sustentada numa isonomia de princípios (os mesmos princípios valem para todos), movem-se entre dois pólos: o vínculo, ou seja, o estabelecido, as regras; e a possibilidade, a inovação”</em

O mestre abre portanto a porta para a autonomização dos jogadores em relação aos princípios trabalhados pelo treinador. Essa autonomização pode ser tomada de forma espontânea pelos jogadores ou incentiva pelo treinador. Ernesto Valverde é por exemplo um treinador que pede sistematicamente aos jogadores que expressem toda a sua criatividade, privilegiando a inovação em relação aos processos trabalhados. No entanto, Valverde não pode, de forma alguma fazer tábua rasa aos processos de jogo trabalhados anteriormente por Guardiola ou Tito Vilanova (ou até pelos treinadores de formação da formação culé visto que o jogar de Guardiola foi adoptado como a filosofia da formação do clube) porque como sabemos, o grau de assimilação dos jogadores a esses mesmos processos é, em virtude da repetição, enorme. No entanto, tenho denotado ao longo desta época que os jogadores culés tem revelado algum espírito de abertura para a realização de processos inovadores, introduzidos pelo treinador ou espontâneos.

O treinador do Dortmund Peter Bosz é um treinador que incute aos jogadores a necessidade de “pensar fora da caixa” quando os processos trabalhados (padronizados) não conseguem contrariar a acção defensiva adversária, aplicando-se portanto o conceito de “inovação” preconizado pelo Mestre Júlio Garganta. Existem regras e existe um trabalho que está estabelecido. Mas se esse trabalho não é suficiente para desmontar a organização defensiva adversária, os jogadores devem inovar, surpreendendo o adversário.

A equipa alemã é uma equipa que pratica, na saída de jogo, a clássica saída verticalizada. A ideia na saída de jogo passa pela verticalização do jogo dos centrais para os médios pelo corredor interior, procurando estes assim que recebem, lançar, com um passe a rasgar, em profundidade, as desmarcações dos extremos para as costas da defesa ou as desmarcações de Aubemeyang para as costas da defensiva adversária. Este é um dos processos padrão. Outro é este, um processo muito idêntico pese embora as assinaláveis diferenças registadas nas dinâmicas individuais requeridas a Andriy Yarmolenko:

Yarmolenko entra no corredor central e tenta servir em profundidade.

Como a formação inglesa conseguiu muito bem, pressionar a saída (nunca deixando os centrais procurar o jogo interior) e condicionar a acção dos interiores quando eram solicitados com passes verticais, para activar o jogo interior, a equipa alemã teve que recorrer a outro tipo de processos, inovando. Com uma saída em U, ou seja, uma saída lateral-central-central-lateral, a equipa pretendeu, circular para as alas numa primeira fase para atrair jogadores para aquela zona de forma a realizar uma rápida variação do centro de jogo visto que a maior concentração de adversários no corredor ou na zona interior daquele flanco, libertava mais espaço para jogar no corredor central e no outro flanco. Assim sendo, os centrais Schmelzer procurava Guerreiro e Guerreiro procurava imediatamente servir Kagawa ou Weigl em zona interior. Com espaço livre para progredir, Weigl procurava atacar o espaço (atraindo os defensores) antes de libertar para Gotze, que, poderia optar por progredir mais em condução ou tentar servir as desmarcações de Aubemeyang, Toljen (inserido na jogada abaixo linkada entre os defensores da formação inglesa) ou abrir para o flanco para Yarmolenko.

Aqui: minuto 10:15 até ao minuto 10:43 – este processo foi executado 2 ou 3 vezes durante o primeiro tempo. Assim que Aubemeyang marcou, a equipa deixou de o realizar. O dito processo não é portanto um processo padronizado mas sim um acto de inovação motivado pelas dificuldades criadas pelo adversário.

No lance do golo, a equipa decidiu voltar aos processos trabalhados. Weigl desceu no terreno para vir “pegar jogo” aos centrais, procurou servir o apoio frontal oferecido entre linhas por Kagawa

kagawa

O que é que o japonês poderia fazer nesta situação concreta? Como Raphael Guerreiro não se encontrava, no momento da recepção, a postos de explorar a profundidade caso o japonês decidisse rodar para o lançar em profundidade, o japonês recebeu o esférico, entendeu as intenções do companheiro, temporizou para aguardar pela chegada ao português (que já estava em flexão para o centro) e cruzou com ele, numa espécie de intercessão…

raphael guerreiro

(…) que ofereceu ao jogador português espaço para romper pelo interior e linha de passe para Yarmolenko. Como podemos ver neste frame, assim que o português entra no espaço livre, Yarmolenko, jogador que podemos ver junto aos centrais no primeiro frame, sai da marcação para oferecer uma linha de passe, e Pierre Emerick Aubemeyang dispara em velocidade para as costas dos centrais porque já sabe que a decisão do seu colega de equipa irá contemplar o seu movimento.

Quando vemos os jogadores a praticar “comportamentos em cadeia”, ou seja, comportamentos que são adoptados por determinado jogador em função do sucesso da acção de um companheiro, compreendemos que estamos perante um processo trabalho nas sessões de treino.

 

Anúncios

Alexandre Lacazette

Soberbo momento inteligência de Alexandre Lacazette na forma em como, no início da jogada, se esconde em posição irregular nas costas de Eric Dier, dando a entender ao internacional inglês que no imediato a decisão do lance não passará por ali (como podem reparar, Dier vai dando passos à frente para incentivar os seus colegas a subir de forma a poderem criar a armadilha do fora-de-jogo), para depois fazer o movimento de reaproximação à linha defensiva (embora me pareça que o francês está ligeiramente adiantado no momento em que sai o passe) quando a bola reentra nos pés de Bellerin para promover com a desmarcação uma situação de ruptura.

Tottenham Hotspurs e Christian Eriksen – todo um mundo!

Eriksen

O Tottenham Hotspurs é desde criança, o meu clube preferido em Inglaterra. Muito poucos o sabem. A minha mãe diz que eu tenho uma estranha tendência para torcer e para analisar o desporto pela óptica dos perdedores – desde miúdo que torço sempre pelas equipas mais fracas ou pelos atletas menos cotados. Tal sentimento deverá certamente ter começado quando, em 1995, vi, ao balcão, de prego à frente, o então jovem (de 17 anos) desconhecido Patrick Kluivert sair do banco para derrubar o todo poderoso AC Milan de Donadoni, Albertini, Boban e Savicevic, uma das equipas que actualmente venero pelo marco que se constituiu para a própria evolução do jogo. Em Itália, torço pela Fiorentina, muito à conta das formidáveis jogadas construídas pelo tonto Rui Costa e pela sua mascarilha Omar Gabriel Batistuta. Em Espanha, nunca fui nem do Real nem do Barça. Quando era puto torcia pelo Valência porque, reconheço, gostava imenso do futebol daquela geração de Mendieta, Vicente, Piojo López, Javier Farinós, Adrian Ilie, Goran Vlaovic. Com o passar dos anos, converti-me à causa basca, passando a torcer pelo seu Athletic. Para além da sua causa separatista e da sua peculiar filosofia auto sustentável (única num “estranho mundinho dominado pelo graveto”) fascina-me nos bascos a simpatia e o assolapado amor que os seus adeptos possuem pelo clube. Bilbao e Firenze fazem-me em certa medida lembrar Alvalade: não ganhamos nada de jeito há vários anos mas cá estamos todos os dias a viver intensa e apaixonadamente este clube como se fosse a última coca cola do deserto.  Continuar a ler “Tottenham Hotspurs e Christian Eriksen – todo um mundo!”

Há uns dias, na habitual rubrica Golos do Dia, escrevi algumas notas sobre os problemas defensivos pelos quais está a passar a formação do Real Madrid, notas que são obviamente resultantes das várias percepções que tem surgido no meu pensamento a propósito dos vários erros defensivos que são cometidos pela formação merengue.

Na partida de quarta-feira, duelo cujo desfecho foi favorável à formação inglesa, Maurício Pochettino aproveitou os processos de jogo operacionalizados com a equipa e uma janela de oportunidade oferecida pelo jogo (a lesão de um dos seus centrais) para alterar a estrutura da sua equipa de forma a capitalizar sobre um dos problemas defensivos do adversário, acrescentando-lhe outro: a forma em como a sua defesa defende os lances de área criados pelo adversário.

 

No lance do primeiro golo dos londrinos, a formação madrilena aparece na sua habitual disposição quando é obrigada a recuar o bloco até às imediações da área. Sem a presença de Ronaldo e Benzema no processo defensivo, como podemos ver na imagem em baixo…

real madrid 18

Isco desce no terreno para evitar que os londrinos tenham superioridade numérica no flanco esquerdo, e Casemiro aparece mais uma vez colado junto aos centrais. Tal disposição, do brasileiro, leva a que Kroos esteja completamente desguarnecido no corredor central. Apercebendo-se dessa situação, Maurício Pocchettino aproveitou a a lesão do central Toby Alderweireld para lançar Moussa Sissoko de forma a alterar drasticamente a esquemática até aí verificada, de forma a capitalizar a situação enunciada com a entrada de mais um jogador a meio-campo e a colocação em definitivo de Marco Dele Alli na área. Kroos passou a ter que defender todo aquele espaço central em inferioridade numérica.

Numa jogada em que os comandados do argentino conseguem bascular o jogo da esquerda para o centro, Sissoko entra à frente de Kroos para oferecer a Harry Winks uma belíssima oportunidade para abrir o jogo para o flanco direito, flanco onde o lateral Kieran Tripper, como é seu apanágio, aparece bem projectado no último terço, nas costas de Marcelo. A defesa do Real está como se pode ver bastante comprimida no corredor central.

real madrid 19

Admito que o lateral brasileiro possa dar esse espaço nas costas a Trippier, embora não o deva porque, como sabemos, o lateral inglês junta ao mais amplo conhecimento das rotinas trabalhadas pela equipa uma mortífera capacidade de último passe de primeira para o surgimento em zona de finalização de Kane ou Dele Alli. No entanto, esse espaço pode ser dado ao lateral inglês pelo lateral brasileiro, se os centrais se posicionarem na mesma linha da bola no momento do cruzamento de forma a poderem atacá-lo convenientemente se o cruzamento for realizado numa linha imaginária mais recuada em relação à linha imaginária que passa pela pequena área ou então, na linha da pequena área nas situações em que o adversário cruze junto à linha final…

real madrid 20

real madrid 21

se Nacho não deixar que o adversário ganhe a frente do lance, o que efectivamente não veio a acontecer. Por outro lado creio que face à ausência dos centrais, Kiko Casilla também poderia ter feito muito mais na saída ao cruzamento visto que a bola passa-lhe mesmo à frente da viseira numa zona em que este tem obrigatoriamente de intervir. O lance é, de uma ponta à outra, muito mal defendido.

A título de exemplo, deixo-vos este lance, jogada onde a formação madrilena corrige alguns dos erros verificados no lance anterior, mantendo porém outros por corrigir:

modric

Presença de Modric no corredor central, embora desta feita seja Kroos quem demora a retomar posição.

real madrid 22

Nacho vê a entrada de Dele Alli mas não se preocupa em posicionar-se de forma a fechar a linha de passe. Enorme distanciamento entre centrais. Se a bola entra em Dele Alli, o avançado não iria certamente perdoar. A bola é variada novamente para a entrada de Trippier nas costas de Marcelo. Sérgio Ramos orienta-se para a direita, acreditando que Nacho vai ajusar a marcação em Dele Alli, emendando o erro cometido no lance do primeiro golo.

sergio ramos 2.PNG

real madrid 23.PNG

Marcelo e Ramos estão em linha com o cruzamento. Como podemos verificar, Nacho não e deixa que o adversário lhe ganhe novamente a frente do lance porque não foi rápido a ajustar. O cruzamento sai, valendo a intervenção rápida de Kiko Casilla na zona por onde nunca deveria ter deixado passar a bola no lance do primeiro golo.

casilla

Liverpool: uma defesa às aranhas

A fraca qualidade individual dos centrais, o péssimo trabalho de coordenação defensiva (trabalho que não tem garantido a devida segurança e estabilidade à equipa; falhas no controlo à profundidade adversária), a lentidão de alguns jogadores na recuperação, as perdas de bola na saída de jogo ou na fase de construção (fase na qual os laterais do Liverpool se projectam no terreno; havendo portanto muito espaço, que não é devidamente compensado nas suas costas se a equipa adversária recuperar a posse) e os jogos em que a linha média do Liverpool não compensa o seu adiantamento no terreno com uma boa reacção à perda (sendo facilmente suplantável) são factores que estão a arruinar por completo as aspirações de Jurgen Klopp.

tottenham

No lance do primeiro golo, a formação de Liverpool tenta reduzir os espaços num curto sector de terreno para recuperar ou obrigar o adversário ao erro. O seu quarteto defensivo está algo desalinhado mas não é quanto a mim por aí que vem algum mal ao mundo. A presença de Harry Kane (em linha) nas costas de Lovren até é aceitável se no momento em que o passe sai para Trippier, um dos centrais desse ordem de subida imediata para criar a armadilha do fora-de-jogo.

matip

Matip não só não cria a armadilha do fora-de-jogo como não é rápido a recuperar perante a sua inexistência, ficando parado a pedir fora-de-jogo enquanto Kane acelera. Se o central internacional pelos Camarões tivesse sido rápido a recuperar, poderia ter chegado primeiro ao esférico para controlar a situação e afastar o perigo. Lovren é comido de cebolada pelo arranque do internacional inglês.

son 3

No lance do 2º golo, a equipa de Anfield é apanhada completamente descompensada no momento da transição adversária. A linha média é batida. Son come o adversário em velocidade para ganhar a frente ao lance. Kane só precisa de esperar pela acção do colega para o isolar.

 

 

A suprema inteligência de Heung-Min Son e Christian Eriksen

Só os grandes médios, aqueles que fazem efectivamente a diferença num jogo de futebol, são capazes de ter um grau de compreensão tão elevado sobre o que fazer num lance em específico. No lance do primeiro golo do Tottenham frente ao Bornemouth, equipa cuja organização defensiva apresentada em Wembley em bloco baixo 5x3x2 (boa cobertura e rigor posicional, ou seja, a equipa nunca se desmanchou, nunca cedeu à tentação de pressionar alto; a verdade é que a circulação paciente executada pelos centrais do Tottenham à entrada do meio-campo adversário convidava os forasteiros a pressionar mais alto para abrir espaços para jogar entre linhas; linhas muito próximas para fechar o jogo entre linhas; 3 homens no corredor central com a missão de fechar as linhas de passe para o surgimento de Eriksen, Dele Alli, Kane ou Min entre linhas; pressão dos alas quando o esférico era circulado para as pontas; tentativa de ter sempre superioridade na zona para onde o esférico era circulado) dificultou e de que maneira a entrada dos spurs no último terço.

son 2

Aos 47″, aproveitando um momento de relaxamento da formação adversária após o regresso das cabines, Son entrou bem entre linhas pela interior directa para receber o passe frontal de Davinson Sanchez.

son

Com um “giro” na recepção, o coreano atraiu dois defensores (obrigando um dos centrais a sair da cabeça de área para pressionar), arranjando o espaço (assinalado a azul) para Eriksen penetrar no último terço pelo corredor central. A simbiose entre os dois jogadores é perfeita. O coreano cria o espaço. O dinamarquês apercebe-se que tem que entrar nesse espaço para receber.

O dinamarquês é feliz no ressalto, finalizando a jogada com o garbo técnico que lhe é amplamente reconhecido.

Bloco de Notas da História # 35 – Ossie Ardiles – os primórdios da magia do futebol argentino

No ano de 1975, Lionel Messi ainda era um projecto da criação que boiava nos testículos de Jorge Messi. Diego Armando Maradona, El Pibe, El Diez, El Ché, o grande e verdadeiro Deus da Igreja Maradoniana, o maior e mais virtuoso ilusionista e ladrão da história do futebol mundial (“Marcar aquele golo com a mão aos ingleses foi como roubar a carteira de um inglês! Naquele jogo jurámos vingar todos os milhares de mortos das Falklands. Quando o príncipe Carlos me quis conhecer, disse, eu é que não o quero conhecer porque não aperto a mão a uma pessoa que tem as suas mãos manchadas de sangue” – Kosturica: Maradona – 2009) estava a um ano de embarcar, nos Argentinos Juniores, naquele louco carrossel de vedeta de rock and roll que o conduziria tão rapidamente ao topo do futebol mundial quanto aos portões do submundo da existência humana. Juan Román Riquelme, o homem que encareceu o preço por metro quadrado daquela pista de 10 metros quadrados de aproximação à área adversária, pequena box de terreno que é explorada por todos os detentores de veludo nos pés para escrever sucessivas composições musicais para a equipa, ainda demoraria 22 anos a surgir ao mais alto nível, e Pablito Aimar, herói incontestável do Monumental de Nuñez e do Estádio da Luz, a maior analogia futebolística de Edgar Morin pela forma complexa mas ao mesmo tempo tão simples como pensava o jogo (não menos brilhante que qualquer obra literária de Morin – simples mas ao mesmo tempo complexa) haveria de nascer 5 anos depois, para encanto de duas “torcidas” que ainda hoje suspiram e choram quando ouvem o seu nome. Uma, a hinchada do River, legal. A outra, completamente fora-da-lei, por legalizar.

Em 1975, o futebol argentino ainda aguardava pelo seu grande momento de afirmação internacional (a escola italiana tinha oferecido aos argentinos a dureza e a organização defensiva e a verdade é que até aos anos 70 as suas selecções eram no fundo somente conhecidas internacionalmente pela sua viril entrega ao jogo. A partir dos anos 70 tudo se modificou – os argentinos começaram a trabalhar mais os aspectos técnicos na formação – esse desenvolvimento trilhado vertiginosamente num curto para de anos ficará para sempre cravado na história como a Grande Revolução dos Enganches – dos 10 argentinos) momento que viria 3 anos mais tarde, naquele controverso Mundial, prova na qual, de certo modo, no “país das pampas” se jogava muito mais que futebol – jogava-se a imagem internacional de um regime sangrento que torturava os seus opositores a poucos metros dos palcos onde os argentinos comemoravam os golos da sua selecção. Jogava-se o futuro de um conjunto de ditadores-vassalos de Henry Kissinger. No fundo, jogava-se toda a americanização da América Latina, status quo que ainda hoje é um tema sensível da geopolítica. Qualquer crónica ou análise mais ou menos detalhada aquele mundial é definitivamente uma taréfa hérculea, pela multiplicidade de factos, de pequenas históricas e de teorias particulares da conspiração que foram sido formuladas ao longo das últimas décadas pelos historiadores e demais curiosos desse marcante acontecimento histórico.

Em 1978, Ossie Ardiles atingia o estrelato do futebol mundial. O jogador do então grande Huracán (vice-campeão argentino no ano de 1976) atingiria o topo da cadeira, a marquise do estrelato. A sua importância vai bem para além da escola de enganches que auxiliou a formar no seu país natal. Ardilles Revolucionou o futebol inglês.  Continuar a ler “Bloco de Notas da História # 35 – Ossie Ardiles – os primórdios da magia do futebol argentino”