Cheguei a Leicester de paraquedas. O que é que vou fazer a este grupo de trabalho?

claude puel

A assumpção de uma equipa a meio da temporada é, na minha opinião, por várias razões, o maior desafio a que um treinador se pode sujeitar em toda a sua carreira. A assumpção do comando técnico de um grupo de trabalho que não foi idealizado ou escolhido por si, condicionante que o obriga a ter que trabalhar forçosamente com matéria prima disponível no imediato (até à reabertura da janela de transferências ou na pior das hipóteses até ao momento em que a sua direcção tenha condicões financeiras para satisfazer as suas necessidades), que se encontre total ou parcialmente desmoralizado por força dos resultados negativos obtidos (pela pressão que esses resultados acarretam; pela necessidade de somar pontos rapidamente para inverter um ciclo negativo) ou pela existência de uma ou outra insatisfação motivada pelo mais amplo leque de choque de interesses (a vontade que determinados jogadores têm de se transferir para clubes que demonstrem outro tipo de ambições ou que possam satisfazer as suas exigências contratuais; as pressões que são realizadas pelos empresários junto dos jogadores e da direcção do clube para forçar uma transferência; jogadores insatisfeitos com os valores do seu contrato; a descrença que se vai acumulando nos jogadores que não são utilizados com regularidade ou que sentem que o seu rendimento não está a ser devidamente aproveitado ou potenciado; jogadores que estão a sentir dificuldades para se ambientar à realidade cultural de um país ou de uma cidade), que já se encontra em andamento ao nível de uma competição, da assimilação de determinado modelo de jogo, dos seus processos e das suas dinâmicas colectivas e individuais. Continuar a ler “Cheguei a Leicester de paraquedas. O que é que vou fazer a este grupo de trabalho?”

Anúncios

O bailado de Son Heung-Min

 

O arrebatador drible do extremo sul-coreano sobre o central Sokratis Papastathopoulos numa sublime bicicleta na qual o jogador, passando a bola do pé direito para o pé esquerdo trocou por completo as voltas ao central grego e arranjou espaço para disparar aquele indefensável míssil que Roman Burki só pode ver passar. A vantagem de ser um jogador ambidestro.

Ngolo Kanté: a sua bomba de 400cv de potência e a sua inteligência na definição de jogadas

Receber, acelerar, aguentar a pressão e a carga adversária, acelerar ainda mais (dificultando a transição defensiva do adversário; criando problemas na intervenção à defesa; veja-se o comportamento “saio ou não saio à pressão?” dos jogadores do Tottenham) e definição do último passe no melhor timing possível…

kante

  1. Se demorasse mais uma infima fracção de segundo a soltar, o médio do Chelsea ficaria sem a bola ou sofreria uma falta cirúrgica que poderia trazer poucos proveitos à equipa.
  2. Linha de passe aberta.
  3. Batshuayi já ganhou a frente do lance com a sua desmarcação. O passe isola o colega.

O Rei Midas voltou

É inacreditável. Christian Eriksen é uma verdadeira barbaridade de futebol nos pés. Observe-se o comportamento do internacional inglês (Marco Dele Alli) assim que a bola chega aos pés do dinamarquês “na sua carreira de cruzamento” – O médio ofensivo sabe com precisão o espaço para o qual deve entrar e sabe que o médio dinamarquês vai lá colocar a bola (numa zona de morte para o guarda-redes; ou é rápido a sair ou corre o risco de ficar a meio da viagem).

Se me dessem a escolher um reforço para o meio-campo da minha equipa sem olhar a custos, escolhia o dinamarquês do Tottenham. A sua objectividade é por demais incrível. Os recursos técnicos que possui e a inteligência com que cria as suas próprias situações, tornam o futebol tão simples e tão eficaz.

Por falar em grandes laterais direitos

Na sequência do post anterior sobre Nélson Semedo. Pep Guardiola também foi buscar uma das melhores opções “oferecidas pelo mercado”, se considerarmos que o Arsenal não está disposto a vender Hector Bellerin. Kyle Walker, o verdadeiro Kubota dos laterais direitos, jogará em Manchester nos próximos anos. O City contratou um extraordinário lateral direito de altíssima rotação e altíssima influência no futebol de qualquer equipa.