Dois puros momentos de rock and roll!

Continuo ainda debruçado em alguns dos pormenores da vitória alcançada pelo City na noite de ontem frente ao Southampton. Como fiz questão de referir no post anterior, os lances de bola parada, em especial os pontapés de canto (na defesa aos livres laterais que o Southampton dispôs a mais de 30 metros da baliza, livres em que a equipa aproveita naturalmente para tentar criar situações de finalização para os seus 3 centrais, todos eles bons cabeceadores, Pep voltou a pedir à equipa para se posicionar em linha, subida, no exterior da área; executando uma estratégia cujos objectivos eram, em primeiro lugar, como não poderia deixar de ser, impedir situações de finalização e promover a recuperação da posse\iniciativa de jogo, e em segundo lugar, caso não fosse possível impedir a finalização adversária, dificultá-la ao máximo ou seja, assegurar que o adversário nunca dispusesse de situações de finalização demasiado próximas da baliza e flagrantes. Como Ederson é um guarda-redes que sabe medir muito tempo o tempo de saída a um cruzamento, o catalão confia ao brasileiro a rectaguarda da sua defesa caso o jogador que vai cobrar a falta tente bombear a bola para além do ponto até onde a defesa poderá previsivelmente descer) foram uns dos vários problemas colocados para formação orientada por Maurizio Pellegrino. Posso até afirmar, com conhecimento de causa que esta fase do jogo tem sido o verdadeiro tendão de aquiles da equipa de Manchester na presente temporada.

Continuar a ler “Dois puros momentos de rock and roll!”

Anúncios

Fieis à identidade construída do primeiro ao último minuto – o Manchester City de Guardiola é de outra galáxia!

Brian Clough em 1978:  “Se Deus quisesse que nós jogássemos no céu, Ele tinha colocado relva lá em cima.”

Poucas são as equipas que, ao minuto 95 de uma partida disputada contra um adversário difícil que soube contrariar defensivamente ao longo dos 90 minutos uma fatia generosa dos processos magicados pelos citizens (quando digo grande parte é mesmo grande parte; quem viu a partida terá forçosamente que atribuir os devidos créditos à exímia organização defensiva perpetrada pela formação orientada por Mauricio Pellegrino na partida disputada no City of Manchester) e que teve o condão de criar muitas dificuldades defensivas à formação da casa quer nas venenosas saídas executadas para o contra-ataque, quer no ataque aos lances de bola parada, conseguem ter disponibilidade física e psíquica para continuar a almejar a baliza adversária de acordo com os preceitos pedidos e trabalhados pelo treinador. A maior limitação intrínseca ao jogo, aquela que de facto mais pressão sob o discernimento dos jogadores (o factor tempo) quando aliada ao cansaço físico e psíquico sentido pelos jogadores e às dificuldades criadas por um comportamento defensivo eficaz por parte do adversária, cria na cabeça destes uma verdadeira mistura explosiva composta por falta de discernimento (remeto-vos para o fantástico post que foi escrito aqui pelo Pedro Bouças) descrença, e desvarios individuais.

É essa mistura explosiva que leva 99% das equipas a tentar o assalto final à baliza adversária através de um estilo mais directo e pragmático, ou seja, de um futebol em que para tentar criar uma tentativa de finalização a equipa opta por sucessivos despejos para a área ao invés da continuação de um futebol combinativo, que procure continuar a enganar o adversário (e a invadir os seus espaços, manobrando-o para o efeito) até alcançar aquele prometedor momento de finalização.

Várias acções realizadas pelos jogadores do City neste lance transpiram os princípios de jogo de Guardiola. Ao invés de bater longo na frente como ditava a necessidade, Ederson jogou curto, respeitando a identidade construída: um jogo apoiado onde é expressamente proibido bater longo na frente. Otamendi foi avançando pacientemente (provocando com bola o adversário; considera-se provocar com bola o ataque ao espaço em condução para atrair o adversário, de forma a procurar o homem livre que ao receber a bola vai provocar instabilidade no bloco adversário porque obrigará os jogadores adversários a ter que efectuar deslocamentos; se este os atrair para si, poderá libertar para outro homem livre, nos espaços em que tendencialmente estariam os defensores atraídos; isto foi precisamente o que Otamendi, Silva e DeBruyne fizeram) libertando apenas quando deixou o colega livre com espaço para criar. O espanhol rodou, fixou o adversário que lhe saiu ao caminho e libertou para a ala na tentativa de proporcionar a Raheem Sterling (o homem livre) um cruzamento para a área. A ideia do extremo sempre passou por flectir para dentro para executar um remate. Como 3 jogadores lhe saíram ao caminho, o extremo foi obrigado a procurar DeBruyne, que, num momento de inspiração de enorme brilhantismo técnico que não me passou despercebido…

debruyne 1debruyne 2

inverte novamente o sentido de jogo com uma recepção orientada que lhe faz permitir passar o esférico do pé esquerdo para o pé direito, antes de criar o espaço que Sterling vai aproveitar para finalizar com aquela técnica de remate que todo o mundo lhe reconhece.

 

Nós é que agradecemos, Imperador!

Corria o ano de 2010 quando todos acreditámos que eras imbatível, tal era a quantidade de defesas inacreditáveis que fazias jogo após jogo. Independentemente da nossa cor clubística e do facto de teres alinhado pelos rivais, nós é que nos sentimos impelidos a agradecer-te esse teu esforço, esses teus reflexos incríveis, essa tua agilidade felina, essa tua enorme presença na baliza. O teu país também será obrigado a agradecer-te. Deixa-me que te diga que, no meu entendimento, não foste o melhor “São” (os brasileiros tratam os seus “goleiros” como Santos) da história do seu futebol (pessoalmente defendo que o melhor guarda-redes da história do Brasil foi Marcos do Palmeiras; a esse, o cosmos deu-lhe o raro dom do milagre) nem tão pouco o mais carismático porque efectivamente os mais carismáticos foram Claudio Taffarel e Rogério Ceni. No entanto, creio que terás o teu pedaço na história da posição no teu país, porque, em conjunto com tantos outros (Jefferson, Cássio, Hélton, Carlos Germano, Norberto Neto, Alisson, Heurelho Gomes, Doni, Diego Alves, Victor, Taffarel, Ceni) ajudaram à superação daquilo a que eu denomino como “o estigma de Barbosa” (Moacir Barbosa era o guarda-redes da selecção que perdeu o título mundial de 1950 no Maracanã frente aos Uruguaios; o golo apontado por Alcides Ghiggia viria a transformar o pobre Barbosa numa espécie de vilão nacional até ao fim da sua vida, votando-o a um inexplicável ostracismo social) – “o estigma de Barbosa” afectou durante várias décadas o relevo que era dado pelo futebol brasileiro à posição e treino específico da posição, menosprezando-a por completo. Foram os feitos dos guarda-redes das gerações de 90 e dos anos 2000 que alteraram essa visão. A primeira internacionalização em massa do guarda-redes brasileiro alterou por completo esse paradigma. Embora esta ainda seja uma das raras posições que o Brasil não produziu um dos 3 melhores jogadores de uma posição numa determinada geração (Ederson tem todo o potencial para se tornar), o país tem vindo a trabalhar os seus talentos com muito mais qualidade.

O expoente da grandeza

Do discurso emocionado e repleto de orgulho do neto de Jesus Correia, retive uma fase: “O meu avô, no fundo, representa o início do Sporting e a grandeza do Sporting” – Pedro, não poderias ter sido mais certeiro na tua afirmação, porque eu e outras tantas dezenas, senão tantas centenas de milhares ou até mesmo milhões, somos o produto da grandeza que o teu avô edificou. A grandeza do teu avô não se poderá apenas medir, pelos títulos que conquistou ou pelas distinções individuais e homenagens de que foi alvo em vida. A grandeza construída pelo teu avô e pelos outros 4 Violinos, foi o sportinguismo que ele fez florescer no coração de tantos homens da sua geração, sportinguismo que foi transmitido hereditariamente de geração em geração até chegar à minha. Se hoje sou sportinguista em muito o devo ao teu avô visto que foi ele quem cultivou a paixão pelo clube do meu há 70 anos. O meu fez 80 anos ontem. Tenho que te dizer que me custa imenso vê-lo envelhecer e que ainda não estou de todo preparado para a sua partida. Tenho que admitir que nos últimos tempos não o tenho visitado com a regularidade que seria desejável. Essa deverá ser talvez a minha maior falha. Se alguém lhe perguntar quem foi o melhor jogador que ele alguma vez viu jogar ele dir-te-à que foi o Travassos, o Zé da Europa. Mas se lhe perguntarem quem foi o maior desportista da história desta Nação, ele responderá que foi o Jesus Correia porque até ao berlinde “O Jesus Correia seria certamente o campeão do mundo”.

Cheguei a Leicester de paraquedas. O que é que vou fazer a este grupo de trabalho?

claude puel

A assumpção de uma equipa a meio da temporada é, na minha opinião, por várias razões, o maior desafio a que um treinador se pode sujeitar em toda a sua carreira. A assumpção do comando técnico de um grupo de trabalho que não foi idealizado ou escolhido por si, condicionante que o obriga a ter que trabalhar forçosamente com matéria prima disponível no imediato (até à reabertura da janela de transferências ou na pior das hipóteses até ao momento em que a sua direcção tenha condicões financeiras para satisfazer as suas necessidades), que se encontre total ou parcialmente desmoralizado por força dos resultados negativos obtidos (pela pressão que esses resultados acarretam; pela necessidade de somar pontos rapidamente para inverter um ciclo negativo) ou pela existência de uma ou outra insatisfação motivada pelo mais amplo leque de choque de interesses (a vontade que determinados jogadores têm de se transferir para clubes que demonstrem outro tipo de ambições ou que possam satisfazer as suas exigências contratuais; as pressões que são realizadas pelos empresários junto dos jogadores e da direcção do clube para forçar uma transferência; jogadores insatisfeitos com os valores do seu contrato; a descrença que se vai acumulando nos jogadores que não são utilizados com regularidade ou que sentem que o seu rendimento não está a ser devidamente aproveitado ou potenciado; jogadores que estão a sentir dificuldades para se ambientar à realidade cultural de um país ou de uma cidade), que já se encontra em andamento ao nível de uma competição, da assimilação de determinado modelo de jogo, dos seus processos e das suas dinâmicas colectivas e individuais. Continuar a ler “Cheguei a Leicester de paraquedas. O que é que vou fazer a este grupo de trabalho?”

Felizmente não perdemos 2 pontos, mas poderíamos ter perdido

ruiz

Foi bonito ver o brilho do teu sorriso pepsodente, Bryancito!

Pela primeira vez em alguns anos (5, 6; creio que a última vez que não vi o Sporting foi na fatídica temporada 12\13) não vi o jogo do Sporting em directo. Para muitos sportinguistas, tal pecado pode-se considerar como um pecado capital, um pecado tão grave como o pecado cometido por um Católico que não aproveita a sua presença em Roma para dar um pequeno salto até à Cidade do Vaticano para ver o Papa ou de um Muçulmano, que, estando na Arábia Saudita no último mês do calendário islâmico não aproveita a ocasião para cumprir um dos 5 mandamentos da sua religião: a visita aos lugares sagrados de Meca e Medina. Aos que aqui vieram à espera de encontrar as minhas habituais ilacções ou análises sobre a partida, tenho que pedir as minhas mais sinceras desculpas. O sol da tarde de ontem, foi, aproveitado para “distritalar um pouco” por Nogueira do Cravo, concelho de Oliveira do Hospital, terra à qual me desloquei para assistir ao magnífico toque de bola e dar um abraço sincero ao nosso Puskas Samuel. A conversa pós-jogo no bar do clube, com um grupo de novos amigos, retirou-me a necessária concentração que normalmente preciso para ver a coisa como deve ser, não obstante o facto de ter visto durante o dia de hoje a segunda parte da partida à hora de almoço no café. Como não gosto de executar a minha análise sem ter um profundo conhecimento de causa, remeto-vos para a interessante análise que foi realizada que foi escrita aqui pelo José Duarte do A Norte de Alvalade e para as notas muito oportunas  que foram escritas nos últimos posts publicados pelo nosso amigo e Parceiro O Artista do Dia, amigo a quem devemos muitas (mais concretamente 28 mil) das centenas de milhares de visualizações que obtivémos desde o dia 10 de Março de 2017.

No entanto, não pensem que olhei para aqueles minutos finais com um olho aberto e outro fechado. Não, não olhei. Um dos problemas basilares desta equipa (a gestão da vantagem) mantém-se e está para durar enquanto Jorge Jesus não activar um conjunto de soluções que priviligiem o controlo do adversário através da gestão da posse e do ritmo de jogo, e enquanto alguns jogadores não interiorizarem que uma partida só termina aos 90 e picos quando o árbitro der três apitadelas bem assentes. Quero com isto dizer que alcançada uma vantagem, a equipa leonina tende a descurar praticamente tudo: posicionamentos, marcações (Jonathan esta é para ti), organizações sectoriais, qualidade na saída de bola (frente ao Braga foi uma perda na saída que ditou a recuperação que os bracarenses transformaram em golo) entre outros aspectos já aqui mencionados noutras ocasiões.

O golo dos Paços de Ferreira não fez mossa na tendência do resultado mas voltou a ser um exemplo paradigmático do grau de relaxamento a que se dá esta equipa quando se apanha a gerir uma vantagem confortável. Embora a coisa não tenha descarrilado, à semelhança do que aconteceu em Turim e em Alvalade frente ao Braga (nesse jogo temos que dar algum crédito às mexidas efectuadas por Abel na sequência do golo sofrido, porque as mudanças efectuadas na estrutura da equipa baralharam por completo a formação leonina, pese embora, como tenha escrito nessa noite, o Sporting não soube pura e simplesmente fazer a gestão mais adequada da vantagem) e do que poderia ter acontecido nos minutos finais dos jogos do Pireu, da Feira e da recepção ao Estoril.

Continuar a ler “Felizmente não perdemos 2 pontos, mas poderíamos ter perdido”

Estaremos perante uma nova e inovadora forma de organização sectorial da linha defensiva?

setubal

Creditos da imagem: Pedro Sousa

Se me permitem exprimir livremente todos os meus sentimentos para qualificar isto, bem, isto, esta coisa abjecta, esta autêntica cagada, extrapola por completo o limiar da sarjeta. Este comportamento é digno do esgoto, futebolisticamente falando. Quando vi esta imagem, preparei-me para escrever que isto está ao nível de alguns treinadores dos distritais (a verdade é que ainda ontem, no final de um jogo do Campeonato de Portugal disse a um treinador, cara-a-cara, que face ao que vi até agora das prestações da sua equipa, um futebol medonho de chutão para a frente e combate corpo-a-corpo, se eu fosse o responsável da empresa da formação que lhe vendeu o Nível I nos cereais do chocapic, devolvia-lhe imediatamente o valor da inscrição porque sentir-me-ia completamente envergonhado com a qualidade da formação ministrada pela minha empresa) mas antes de o escrever, lembrei-me que por falta de oportunidades (uns por falta de contactos; outros por manifesta falta de padrinhos; outros porque ainda acreditam no lado romântico da coisa, ou seja, ainda acreditam que este país está assente num sistema meritocrata) existem por aí, nos distritais, treinadores que conseguem realizar, com uma “mão-de-obra” menos qualificada que a que possui José Couceiro, melhores trabalhos ao nível de organização sectorial da linha defensiva. Pior que a falta de organização daquele sector é ver dois médios completamente encavalitados em cima de uma defesa já de si desorientada e dois jogadores à entrada da área a observar tudo como se estivessem sentados cómodamente na esplanada do café…. Por falar em esplanada do café, vamos ao próximo post.